Sistemas de Administração da Produção

Eduardo Dias Ferreira

Gestor de Empresas e Pós Graduação em Engenharia da Produção pelo Ietec

Resumo

Este artigo tem como principal proposta, abordar questões relativas à escolha do sistema de administração da produção adequado (SAP), bem como sua importância dentro das organizações industriais. Serão apresentados os principais sistemas de administração da produção, suas estratégias competitivas, vantagens e desvantagens, integração de estratégias de produção, e sua interação com o chão de fábrica. Durante a abordagem serão enfatizados os pontos principais os quais o gestor de produção deve estar atendo, ao escolher o SAP adequado. Este artigo foi desenvolvido através de pesquisas em literaturas específicas e credibilidade no mercado.

Palavras-chave: Estratégias, gestão, Integração, MRP-II, JIT e OPT

Abstract

This article has as main proposal, approach points to the choice of a administration system of adequate production (SAP), as well as your importance inside a industrial organization. To be showing the main production administration systems, their competitive strategies, advantages and disadvantages, production strategies integration, and your interaction with the factory grounds. During this approach will be emphasized the main points that production manager the should have attention, when choosing the SAP adequate. This article was developed through researches in specific literatures and credibility in the market.

Keywords: Strategies, administration, integration, MRP-II, JIT and OPT

1 Introdução

Com a globalização mundial é exigido das organizações mais competência em sua administração da produção para que possam sobreviver no mercado. A cada dia é exigido que as decisões sejam tomadas mais rápido e isso devido as circunstâncias mundiais que mudam constantemente em todos os aspectos desde o econômico até o social e ambiental, o que obriga a quem quiser ficar com uma fatia de mercado em seu segmento a acumular o maior conhecimento possível em quantidade e qualidade.

Com isso as empresas precisam utilizar ou escolher o sistema de administração da produção adequado para sair em vantagem ou pelo menos em condições de participar dos desafios e problemas enfrentados no dia a dia do mercado.Se as empresas não se preocuparem com isso certamente sofrerão as conseqüências quando na briga de mercado.O gestor moderno precisa estar atento às novas tecnologias no que se refere a ferramentas de administração da produção bem como na administração geral de manufatura. A seguir vamos mostrar os principais sistemas e suas relações dentro das necessidades industriais, com base em pesquisas realizadas em literaturas de credibilidade no
mercado.

1.1 Objetivo
1.1.1 Objetivo geral
Apresentar os sistemas de administração da produção mais conhecidos.
1.1.2 Objetivo específico
• Discutir a aplicação dos sistemas de administração da produção.

2 Desenvolvimento
2.1 Sistema MRP-II
O sistema MRP II ("Manufacturing Resources Planning" - Planejamento dos Recursos da Manufatura) é a evolução natural da lógica do sistema MRP, com a extensão do conceito de cálculo das necessidades ao planejamento dos demais recursos de manufatura e não mais apenas dos recursos materiais. O sistema MRP II é um sistema integrado de planejamento e programação da produção, baseado no uso de computadores. Estes softwares são estruturados de forma modular, possuindo diversos módulos que variam em especialização e números. No entanto, pode-se afirmar que os módulos principais do MRP II são :

• Módulo de planejamento da produção
Este módulo visa auxiliar a decisão dos planejadores quanto aos níveis agregados de estoques e produção período-a-período. Devido a agregação e quantidade de dados detalhados, é usado para um planejamento de longo prazo.
• Módulo de planejamento mestre da produção(MPS)
Este módulo representa a desagregação em produtos individualizados do plano de produção agregado, e tem como objetivo auxiliar a decisão dos usuários quanto aos planejamentos das quantidades de itens de demanda independente a serem produzidas e níveis de estoques a serem mantidos.
• Módulo de cálculo de necessidade de materiais (MRP)
A partir dos dados fornecidos pelo MPS, o MRP "explode" as necessidades de produtos em necessidades de compras e de produção de itens componentes, com o objetivo de cumprir o plano mestre e minimizar a formação de estoques.
• Módulo de cálculo de necessidade de capacidade (CRP) O módulo CRP calcula, com base nos roteiros de fabricação, a capacidade necessária de cada centro produtivo, permitindo assim a identificação de ociosidade ou excesso de
capacidade (no caso da necessidade calculada estar muito abaixo da capacidade disponível) e possíveis insuficiências (no caso das necessidades calculadas estarem acima da capacidade disponível de determinados recursos). Com base nestas informações, um novo MPS será confeccionado ou algumas prioridades serão mudadas.
• Módulo de controle de fábrica (SFC)
O módulo SFC é responsável pelo sequenciamento das ordens de fabricação nos centros produtivos e pelo controle da produção, no nível da fábrica. O SFC busca garantir às prioridades calculadas e fornecer feedback do andamento da produção para os demais módulos do MRP II.
2.1.1- Cuidados na implantação do MRP II
O processo de implantação do Sistema MRP II exige uma série de medidas preventivas devido às dificuldades encontradas. Tais medidas devem garantir as condições básicas para se ter sucesso na implantação.

Vejamos os principais fatores de cuidado:
1-Apoio da Alta Gerência
Deve estar de fato comprometida e começar demonstrar isso com a criação de um comitê diretor para implementação do sistema o qual deve indicar um líder para o projeto. O líder deve ter experiência na área e elevada credibilidade.
2-Definição Clara das Metas e Objetivos
Os objetivos e as metas a serem atingidos com a implementação do MRP II devem ser amplamente divulgadas por toda a organização. Isto evita que seja estabelecida uma visão distorcida do que este novo sistema representa, além de permitir uma melhor tomada de decisão quanto aos aspectos técnicos do sistema, quanto a software e hardware. Neste processo quanto melhor for a comunicação em relação aos objetivos e metas,menos traumático será a mudança.
3- Comunicação e coordenação interdepartamental
É fundamental para evitar os conflitos que surgem, sobretudo, da inexistência de canais de coordenação e comunicação entre os vários departamentos da organização, evitando que se dê o fluxo de informações necessárias à construção de dados extremamente relevantes ao sistema MRP II como previsão de vendas e planejamento da produção.
4- Visibilidade da implementação
Vai fornecer uma visão clara das mudanças que um sistema MRP II significa e divulgar todas as etapas de implementação aos membros da organização evitará que ocorram surpresas e permitirá o aparecimento de uma discussão global acerca das mudanças.
5- Treinamento e educação
O comprometimento do pessoal é fundamental para o sucesso na implantação e seguimento do sistema, logo eles devem além de serem treinados serem motivados.
6- Conhecimento dos princípios de MRP II por parte do setor de vendas O conhecimento, por parte do setor de vendas, de alguns princípios básicos do sistema MRP II eliminaria conflitos potenciais com o setor de produção da empresa. A
origem e o conteúdo destes conflitos são descritos por Melo (1995) e dizem respeito a questões de planejamento e controle da produção no curto prazo.
7- Adequação de hardware e software
O sistema deve ser capaz de rodar tanto em sistemas de grande porte quanto em Pcs ligados diretamente ao banco de dados e MRP. Deve permitir facilmente a execução das seguintes tarefas: transferência de dados, atualização e registro das listas de materiais, determinação das paradas para preparação e manutenção de máquinas, e, sobretudo permitir a execução de cenários do tipo what-if, comparando diversos programas de produção com base na eficiência, níveis de estoque e serviço ao cliente.
8-Acuracidade e integração dos dados
O esforço de se alcançar altos níveis de acuracidade de dados pode demandar um longo e trabalhoso processo de mudanças de rotinas e procedimentos as quais podem passar pela implantação de regime de inventários cíclicos ou eliminação de hot-lists.
9-Expertise em Tecnologia de Informação
Existe a necessidade de uma pessoa com capacitação técnica suficiente para interferir na seleção do hardware e software necessários à implementação do sistema, evitando com isso , dispêndios exagerados na compra destes componentes.

2.2 Sistema TOYOTA de produção – JUST-IN-TIME (JIT)
No sistema TOYOTA, o planejamento da produção se faz tão necessário quanto em qualquer outro, já que um sistema de manufatura JIT precisa saber quais os níveis necessários de materiais, mão-de-obra e equipamentos. Baseado no conceito de produção nivelada, as linhas de produção podem produzir vários produtos diferentes a cada dia, atendendo à demanda do mercado. É fundamental para a utilização da produção nivelada que se busque à redução dos tempos envolvidos nos processos.

A programação mensal é efetuada a partir do planejamento mensal da produção que é baseado em previsões de demanda mensal e em um horizonte de planejamento que depende de fatores característicos da empresa, tais como : lead times de produção e incertezas da demanda de produtos. Quanto menores os lead times, mais curto pode ser o horizonte de planejamento, proporcionando previsões mais seguras.

O planejamento mensal da produção resulta em um Programa Mestre de Produção que fornece a quantidade de produtos finais a serem produzidos a cada mês e os níveis médios de produção diária de cada estágio do processo. Com um horizonte de três meses, o mix de produção pode ser sugerido com dois meses de antecedência e o plano detalhado é fixado com um mês de antecedência ao mês corrente. Os programas diários são então definidos a partir deste Programa Mestre de Produção.

Já a programação diária é feita pela adaptação diária da demanda de produção usando sistemas de puxar sequencialmente a produção, como o sistema Kanban. Buscando a flexibilidade da produção e a redução dos tempos de preparação de equipamentos, reflete-se na ênfase dada à produção de modelos mesclados de produtos, permitindo uma produção adaptável à mudanças de curto prazo e obtendo ganhos de produtividade.

No sistema de "puxar" a produção, o controle é feito pelo sistema kanban, que é um sistema de informação através do qual um posto de trabalho informa suas necessidades de mais peças para a seção precedente, iniciando o processo de fabricação entre estações de trabalho apenas quando houver necessidade de produção, garantindo assim a eficiência do sistema de "puxar" a produção.

2.3 Teoria das restrições (OPT)
O OPT ( Tecnologia de Produção Otimizada) é uma técnica de gestão da produção, desenvolvida pelo físico Eliyahu Goldratt, que vem sendo considerada como uma interessante ferramenta de programação e planejamento da produção. O OPT compõe-se de dois elementos fundamentais : sua filosofia (composta de nove princípios) e um software "proprietário".

Para Goldratt & Fox (1993) a meta principal das empresas é ganhar dinheiro, e o sistema de manufatura contribui para isso atuando sobre três medidas : Ganho, Despesas operacionais e Estoques. É apresentado as seguintes definições para estas três medidas :
Ganho : é o índice pelo qual o sistema gera dinheiro através das vendas de seus produtos.
Inventário : é todo dinheiro que o sistema investiu na compra de bens que ele pretende vender. Refere-se apenas ao valor das matérias-primas envolvidas
Despesa Operacional : é todo dinheiro que o sistema gasta a fim de transformar o inventário em ganho.

Segundo a filosofia OPT, para se atingir a meta é necessário que no nível da fábrica se aumentem os ganhos e ao mesmo tempo se reduzam os estoque e as despesas operacionais. Para programar as atividades de produção no sentido de atingir-se os objetivos acima mencionados, é necessário entender o inter-relacionamento entre dois tipos de recursos que estão normalmente presentes em todas as fábricas : os recursos gargalos e os recursos não-gargalos.

recurso gargalo : é aquele recurso cuja capacidade é igual ou menor do que a demanda colocada nele.
recurso não-gargalo : qualquer recurso cuja capacidade é maior do que a demanda colocada nele.

Os princípios da filosofia OPT são :
1. Balancear o fluxo e não a capacidade.
A filosofia OPT advoga a ênfase no fluxo de materiais e não na capacidade dos recursos, justamente o contrário da abordagem tradicional.
2. O nível de utilização de um recurso não-gargalo não é determinado por sua disponibilidade, mas sim por alguma outra restrição do sistema.
3. A utilização e a ativação de um recurso não são sinônimos. Ativar um recurso, quando sua produção não puder ser absorvida por um recurso gargalo, pode significar perdas com estoques. Como neste caso não houve contribuição ao atingimento dos objetivos, a ativação do recurso não pode ser chamada de utilização.
4. Uma hora perdida num recurso gargalo é uma hora perdida por todo os sistema produtivo. Como é o recurso gargalo que limita a capacidade do fluxo de produção,uma hora perdida neste recurso afeta todo o sistema produtivo.
5. Uma hora economizada num recurso não-gargalo é apenas uma ilusão. Uma hora ganha em um recurso não-gargalo não afeta a capacidade do sistema, já que este é limitado pelo recurso gargalo.
6. Os gargalos governam o volume de produção e o volume dos estoques.
7. O lote de transferência pode não ser e, frequentemente, não deveria ser, igual ao lote de processamento. Dentro do contexto da filosofia OPT, a flexibilidade em como os lotes serão processados é essencial para uma eficiente operação do sistema produtivo.
8. O lote de processamento deve ser variável e não fixo.
Na filosofia OPT, o tamanho lote de processamento é uma função da programação que pode variar de operação para operação.
9. A programação de atividades e a capacidade produtiva devem ser consideradas simultaneamente e não sequencialmente. Os lead times são um resultado da programação e não podem ser predeterminados.

Considerando as limitações de capacidade dos recursos gargalos, o sistema OPT decide por prioridades na ocupação destes recursos e, com base na sequência definida, calcula como resultado os lead times e, portanto, pode programar melhor a produção.

3. Critérios competitivos dos sistemas de administração da produção
3.1 Critérios competitivos do MRP-II
Na filosofia do MRP II a direção é apontada para o objetivo estratégico de redução de custo e melhoria da eficiência através do planejamento e controle dos estoques e a integração informatizada das várias áreas da empresa. A mola mestra do MRP II é a elaboração de um plano capaz de fazer com que os materiais sejam comprados ou fabricados para estarem disponíveis no momento em que efetivamente serão utilizados.

Dessa forma se evita custos operacionais e financeiros oriundos da manutenção dos estoques desnecessários. A estratégia sugerida pela filosofia do MRP II é proporcionar à empresa a capacidade de produzir com custos reduzidos.

3.2 Critérios competitivos do sistema JIT
Basicamente a filosofia estratégica do just-in-time consiste na redução de custos, ou seja, produzir o item certo, na quantidade certa e no tempo certo. A pontualidade não aparece explicitamente como meta , porém se torna claro dentro da filosofia JIT, a estratégia de responder com rapidez e qualidade aos movimentos do mercado, valorizando-se a simplicidade e a racionalidade.

3.3 Critérios competitivos do sistema OPT
A filosofia conceitual do OPT é baseada em medidas de performance financeiras. Semelhantemente ao JIT, o OPT também enfatiza a redução de custos e o aumento da taxa de retorno financeiro, enfatizando a meta de ganho (aumento de receita),sem também enfatizar explicitamente a pontualidade.Trata de explorar ao máximo as restrições de capacidade do sistema para aumentar ou proteger o volume de vendas.

4. Considerações
4.1 A integração do gestor de produção aos sistemas de administração da produção Para trabalhar com os sistemas de administração da produção (SAP),o gestor de produção deve conhecer bem alguns fatores como, tipo de produto, processo, mercado, política e negócio da empresa, e procurar conhecimentos adequados quanto aos serviços oferecidos pelos sistemas.

È fundamental também que o gestor de produção procure conhecer a fundo os benefícios proporcionados pelos sistemas, bem como as dificuldades de cada um. Para se alcançar uma integração satisfatória o gestor precisará de habilidades para mesclar as filosofias e softwares de cada sistema. Por exemplo, o sistema MRP II pode ser interagido com a filosofia do JIT (Kanban), pois esse último não necessita de ser informatizado para sua aplicabilidade. Para uma integração satisfatória, deve-se observar que qualquer análise em termos de adequação ou não de um SAP a um determinado sistema produtivo, não deve ser feita de forma isolada ou parcial, mas sim analisado em conjunto dentro do contexto da organização. Cada sistema apresenta pontos fortes e fracos.

A tabela abaixo enumera as principais vantagens e desvantagens dos SAP.
4.2 Relação dos sistemas de administração da produção (SAP’s) com os sistemas de gestão empresarial (ERP’s)
ERP (Enterprise Resource Planning) é um termo genérico para o conjunto de atividades executadas por um software multi-modular com o objetivo de auxiliar o gestor de uma empresa nas importantes fases de seu negócio, incluindo
desenvolvimento de produto, compra de itens, manutenção de inventários, interação com fornecedores, serviços a clientes e acompanhamento de ordens de produção.

ERP é definido como uma arquitetura de software que facilita o fluxo de informações entre todas as atividades da empresa como fabricação, logística, finanças e recursos humanos. É um sistema amplo de soluções e informações. Um banco de dados único, operando em uma plataforma comum que interage com um conjunto integrado de aplicações, consolidando todas as operações do negócio em um simples ambiente computacional.

O ERP tem suas raízes no MRP, trata-se de um processo evolutivo natural proveniente da maneira com a qual a empresa enxerga seu negócio e interage no mercado. Os ERP’s além dos módulos de planejamento da manufatura, suporta módulos que permitem o planejamento da empresa como um todo, de maneira integrada, utilizando uma mesma base de dados. A principal finalidade dos ERP’s é gerar informações para apoio às tomadas de decisão que integram os setores entre si e com a manufatura. A relação dos SAP’s com os ERP’s é de uma complementação sistêmica visando precisão e velocidade.

Para se implantar um ERP é necessário uma análise detalhada do custo-benefício, e principalmente quando se tratar de substituição dos módulos já existentes na empresa. Além disso, muitas vezes pode acontecer que nem todos os módulos contidos em um ERP escolhido, seja adequado à realidade da empresa.

4.3 A flexibilidade do processo produtivo em relação aos SAP’s. Quando na escolha do sistema de administração da produção adequado, é preciso ter a preocupação se ele irá atender as exigências mínimas do processo produtivo e do
mercado.A flexibilidade é a capacidade dos sistemas de produção responderem eficazmente a mudanças não planejadas que sempre tendem a acontecer tanto no processo interno da empresa quanto no externo que é o mercado. Tais mudanças são conseqüências da necessidade de novos produtos, aumento no mix de produtos e volumes, prazos de entrega cada vez mais curtos, mão-de-obra mais qualificada e etc.

Além desses fatores o gestor de produção deve estar atento no ato da escolha do SAP,pois será muito importante que tal escolha esteja alinhada com as estratégias da empresa para não desviar o foco principal que a justificativa da existência do negócio.

4.4 As estratégias de produção e o SAP
O SAP só conseguirá corresponder bem a qualquer estratégia de produção, após definir qual o nicho de mercado irá atender, e que demanda será atendida. Após definir a que demanda atenderá, a estratégia de produção acontecerá quase que automaticamente pela exigência do mercado consumidor e ai caberá o gestor estar atento a essas exigências para corresponde-las com a escolha acertada.

5. Conclusão

É fato que a escolha de um determinado sistema de produção, não garante por si só, o sucesso competitivo de uma organização, nem no presente e nem no futuro. No entanto, é condição necessária para se garantir o sucesso. A escolha feita pelas organizações por um dos Sistemas de Administração da Produção (ou por uma combinação deles) constitui-se em uma importante decisão, que deve sempre estar de acordo com as necessidades estratégicas da organização.

A definição clara do negócio da empresa é fundamental para a condução dos objetivos e políticas de produção e marketing.O foco de atuação precisa ser claro, pois existem uma grande variedade de objetivos e políticas de marketing. Estas variedades refletem as diferenças entre os vários segmentos de mercado, que podem incluir: diferentes necessidades quanto aos tipos de produtos; variedade da linha de produtos; tamanho dos pedidos dos clientes; freqüência de mudanças no projeto do produto; e introdução de novos produtos.

Em resumo parece que o ideal é mesclar o uso de cada sistema (MRP II) , (JIT) e (OPT) devido à complexidade das necessidades específicas das empresas bem como das limitações de cada um dos SAP’s.

Referências
(1) ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO - Nigel Slack,Stuart Chambers,Chistine Harrison e Robert Johnston – Editora Atlas - 1997
(2) RIO DE JANEIRO (Estado). Centro de Estudos em Logítica – COPPEAD/UFRJ.Fatores críticos na implementação de sistemas MRP II. Rio de Janeiro,1997. Disponível em: /http://www.cel.coppead.ufrj.br/fsbusca.htm-fr-mrp.htm>. Acesso em 09 jun. 2006.
(3) Planejamento e Controle da Produção – Apostila do curso MBA em Gestão de Negócios – IETEC, Belo Horizonte, 2006.
(4) Anais eletrônicos disponível em:htpp:// www.Manufacturing Management htpp:// www.prodel.com.br/ERP.htm