Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Produção Mais Limpa

Fabiana Amaral Rodrigues Mendes

Gerente de Meio Ambiente da Intercast.
Ex-aluna da Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Integrada

RESUMO

Este artigo vem apresentar que é possível conciliar o desenvolvimento econômico, conforme os moldes do capitalismo, com a preservação ambiental, por meio da aplicação de tecnologias limpas, embasadas no conceito de prevenção a poluição, nos processos produtivos da empresas, tornando-os ecoeficientes, com a geração de benefícios para a empresa e o meio ambiente.

PALAVRAS-CHAVES: Produção mais Limpa, Desenvolvimento Sustentável, Ecoeficiência.

INTRODUÇÃO

Mediante o cenário econômico atual, onde as pessoas aspiram cada vez mais pelo “TER”, desfazendo de seus produtos de uma maneira muito rápida em função das opções ofertadas e pelo modismo da época em vigor, ocasiona consequentemente um aumento crescente no modelo chamado: capitalismo. Que tem como lema: produzir, e cada vez mais despertar e impulsionar os anseios e desejos dos consumidores ligados à cadeia.

O desenvolvimento do capitalismo deve ocorrer e as necessidades e desejos devem ser supridas, perfazendo desta maneira um vínculo entre a produção e consumidores. Porém a estrutura linear, produção – consumidor (sociedade) deveria ser substituída por um modelo triangular, pois o aspecto meio ambiente deveria estar conectado as duas referências.

Desta maneira entenda-se que o desenvolvimento do capitalismo deveria ser compatível com as estratégias ecológicas de preservação do meio ambiente, afinal este é a fonte para os recursos naturais que irão abastecer os processos produtivos, para a confecção do produto final e em grande parte das situações será este mesmo meio ambiente, que irá receber os resíduos gerados destes processos.

Toda esta situação indica a necessidade imperiosa em discutir a fundo os modelos de desenvolvimento e de gestão vigentes e as conseqüências acarretadas a própria empresa, meio ambiente e sociedade, sendo estas uma condição para conceber outras formas ecologicamente equilibradas com o processo industrial.

Segundo o Worldwatch Institute (2000), “As economias não serão suportáveis por muito tempo a menos que o ambiente natural que as sustenta o seja”. No entanto, para que o ambiente se suporte, é preciso promover uma relação mútua entre ambientalismo e crescimento econômico, propiciando o desenvolvimento sustentável, obtido a partir de uma redução dos impactos ambientais decorrentes principalmente de atividade produtivas (Capra, 2000).


É necessária uma nova visão que reestruture conceitos e busque aplicar tecnologias mais limpas nos processos produtivos das empresas, o que consequentemente irá gerar mais saúde ambiental, que por sua vez irá gera saúde social e por fim irá gera saúde econômica para o empreendimento, sendo este o motivo fim do mesmo existir.

Deve-se repensar o conceito de gestão ambiental aplicado às empresas, classificado como “fim de tubo”, pois este tornou-se impotente para lidar e reverter os problemas ambientais ocasionados com o desenvolvimento. É importante que a empresa adote em seu sistema de gestão o princípio de Prevenção da Poluição, como por exemplo, o programa Produção mais Limpa, sendo esta uma forma para equilibrar os pilares do Desenvolvimento Sustentável: desenvolvimento econômico, proteção ambiental e equidade social.

METODOLOGIA

Segundo Mazzini (2008), Prevenção à Poluição diz-se de qualquer prática, processo, técnica ou tecnologia que vise à redução ou eliminação de poluentes em volume, concentração e/ou toxicidade. Inclui substituição de matérias-primas; aumento de eficiência no uso de insumos (energia, água, etc); modificações nos equipamentos, processos ou procedimentos; reformulação ou replanejamento de produtos; melhoria nos gerenciamentos administrativos e técnicos da atividade poluidora.

A adoção de metodologias de Prevenção de Poluição tem como finalidade fundamentar uma estratégia eficaz para evitar desperdícios de matérias-primas e energia, os quais seriam convertidos em resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, responsáveis por adicionar custos aos processos produtivos e gerar problemas ambientais, ocasionado consequentemente redução no resultado financeiro da empresa.

Dentre as metodologias de Prevenção de Poluição temos a chamada Produção mais Limpa.

“Produção mais Limpa significa a aplicação contínua de uma estratégia econômica, ambiental e tecnológica integrada aos processos e produtos, a fim de aumentar a eficiência no uso de matérias-primas, água e energia, através da não geração, minimização ou reciclagem de resíduos gerados, com benefícios ambientais e econômicos para os processos produtivos.” (UNIDO – United Nations for Industrial Development)

O conceito de Produção Mais Limpa, adotado pela UNIDO/UNEP, tem como base o programa Ecoprofit – Ecological Project For Integrated Environmental Technologies (Projeto Ecológico para Tecnologias Ambientais Integradas), que visa fortalecer economicamente a indústria através da Prevenção da Poluição, inspirado no desejo de contribuir com a melhoria da situação ambiental.

A Produção mais Limpa apresenta um processo de melhoria contínua, o qual visa tornar a atividade produtiva menos danosa ao meio ambiente, tendo como mecanismo fundamental para realização das melhorias não apenas as tecnologias, mas também uma mudança de gestão da empresa e das pessoas envolvidas nos processos.

Dentre a mudança de gestão o foco é eliminar os tratamentos de resíduos e emissões gerados no processo produtivo, chamado “fim de tubo”, que para a empresa e meio ambiente é extremamente ineficiente, pois ocasiona o desperdício e perda das matérias-primas no processo e em seguida, o incremento do custo para a disposição dos resíduos gerados em função do mesmo processo produtivo.

A prioridade da Produção mais Limpa é a não geração do resíduo e emissões, por isso é importante levantar as causas da geração e atuar nas mesmas para maximizar o uso da matéria prima empregada nos processos produtivos e para garantir que realmente estas sejam transformadas em produtos, sendo um programa que integra completamente os objetivos ambientais aos processos de produção.

Uma vez que evitar a geração do resíduo não seja possível, o ideal é que o mesmo possa ser reciclado internamente, ou seja, reintegrados ao processo de produção, tendo como última opção o descarte deste resíduo para fora da empresa. Caso isto aconteça os receptores dos resíduos devem ser aptos e devidamente regularizados perante o órgão ambiental para receber os mesmos e dar disposição e tratamentos adequados, de modo a neutralizar e/ou minimizar qualquer impacto ambiental adverso.

Para a implementação da Produção mais Limpa é importante o apoio da Alta Direção da empresa, para que este possa subsidiar e impulsionar o processo junto aos seus liderados.


As etapas do processo de implementação estão compreendidas conforme a Figura 1 abaixo:


Figura 1
Etapas de Implementação da Produção mais Lima


As vantagens e benefícios alcançados com a Produção de Produção Mais Limpa para empresa, colaboradores, meio ambiente, sociedade são vários, dentre eles podemos ressaltar alguns:

- Redução de resíduos gerados e emissões;
- Reuso de resíduos de processo;
- Reciclagem de resíduos;
- Redução de desperdícios;
- Diminuição dos riscos de acidentes ambientais;
- Redução dos custos de produção e aumento da eficiência e competitividade;
- Melhoria das condições de saúde e segurança do colaborador;
- Melhoria da imagem perante aos órgãos ambientais, consumidores, fornecedores e a comunidade.

Com base nas premissas da Produção mais Limpa podemos afirmar que  esta está atrelada diretamente ao conceito de Ecoeficiência, onde conforme Mazzini (2008), ecoeficiência é o aumento da produtividade e, conseqüentemente, da rentabilidade das organizações, por meio da prevenção da poluição e da mitigação de impactos ambientais adversos. No conceito de ecoeficiência, a poluição é o resultado da ineficiência operacional na busca de produtividade, qualidade e desempenho ambiental. A organização ecoeficiente é aquela que trata a questão de forma integrada com a qualidade e a produtividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e obtendo ganhos e benefícios adicionais.

CONCLUSÃO

Enfim, como não podemos parar o desenvolvimento econômico, é necessário adaptar o modelo do capitalismo vigente, onde as empresas precisam e com certeza continuaram a produzir, porém sendo necessário adotar medidas preventivas em relação ao meio ambiente, como a implantação da Produção Mais Limpa, até mesmo em resposta à responsabilidade financeira adicional trazida pelos custos de controle e dos tratamentos de final de tubo.

A diferença essencial entre a gestão convencional de resíduos focada no fim de tubo e a Produção mais Limpa está no fato de que não trata simplesmente dos sintomas, mas busca atacar a raiz do problema, ou seja, é um programa de gestão que identifica as causas dos problemas ambientais, reduzindo os impactos causados por estes ao meio ambiente, e possibilita a definição de alternativas viáveis economicamente à empresa e que contribuam efetivamente para a melhoria da qualidade de vida na Terra.

A Produção mais Limpa oferece oportunidades para uma relação do tipo “ganha-ganha”, onde a melhoria ambiental pode andar junto com os benefícios econômicos, gerando um verdadeiro círculo virtuoso.

BIBLIOGRAFIA

MAZZINI, Ana Luiza Dolabela de Amorim. Dicionário Educativo de Termos Ambientais. Belo Horizonte, 4ª Edição, 2008.


PEDROZA, Daniela Cavalcante. Caracterização e Tratamento de Resíduos. Belo Horizonte: IETEC, 2008.

ANDRADE, Luiz Ignácio Fernandes de. Produção mais Limpa. Belo Horizonte: IETEC, 2008.

CAPRA, Fritjof. A teia da Vida. Editora Cultrix, 2000.

ALMEIDA, Fernando. O Bom Negócio da Sustentabilidade. Rio de Janeiro. Editora Nova Fronteira, 2002.

Site FIESP: acesso em 20/01/09
http://www.fiesp.com.br/ambiente/perguntas/producao-limpa.aspx

Site CEBDS: acesso 20/01/09
http://www.cebds.org.br/cebds/eco-pmaisl-barreiras.asp

Site CETESB: acesso em 20/01/09
http://www.cetesb.br

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo