Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão de Projetos

Planejamento Avançado da Qualidade do Produto

Ueder Lúcio dos Santos

Engenheiro de Desenvolvimento do Produto. Pós-Graduado em Gestão de Projetos pelo Ietec.
 

Em função do aumento da demanda e a constante busca dos usuários por modelos de veículos mais confortáveis com custo reduzido, os fabricantes de automóveis definiram adotar procedimentos para o desenvolvimento de novos componentes e produtos diversos. Estes procedimentos têm como objetivo sistematizar e garantir que os fornecedores entreguem às montadoras produtos com melhor padrão de qualidade e que atendam aos requisitos de segurança e governamentais exigidos. Esta medida também irá propiciar aos fabricantes nacionais uma melhor confiabilidade e credibilidade perante aos usuários, em se comparando com a concorrência importada.

Com a sistematização do planejamento da qualidade tanto as montadoras quanto os fornecedores, certamente, atenderão aos requisitos definidos e consequentemente reduzirão os riscos de atendimento aos prazos, custo e perdas com a não-qualidade.

Tal fato é predominante desde o final da década de 80 quando as empresas nacionais finalmente atentaram para a necessidade de melhorar o padrão de qualidade de seus produtos e processos. Isto motivado pela globalização que abriu as portas do país para a concorrência internacional. Com esta situação tornou-se inevitável a falência de muitas empresas ou fusão com outras de capital estrangeiro.

Este artigo será baseado no “Planejamento Avançado da Qualidade do Produto”, procedimento no momento muito difundido nas industriais automobilísticas suportado pelas normas QS 9000 e ISO TS 16949. O Planejamento da Qualidade é simplesmente uma atividade de desenvolver os produtos e processos para atender às necessidades dos clientes. Envolve uma série de etapas entre as quais: determinar quem são os clientes; quais são suas necessidades; desenvolver características de produtos que respondam às expectativas dos clientes; desenvolver processos capazes de produzir tais características e finalmente, concretizar os planos. Planejar a qualidade consiste em identificar as necessidades dos clientes e desenvolver os produtos e processos necessários ao seu atendimento.

Em resumo nossa palavra chave é a qualidade que quer dizer produto e processo que atende perfeitamente, de forma confiável, forma acessível, forma segura e no tempo certo, as necessidades do cliente. A qualidade deve ser definida como cumprimento de requisitos. A palavra qualidade tem diversos significados, todavia podemos especificar alguns desses significados essenciais no planejamento da própria qualidade e no planejamento estratégico das empresas. No que se refere ao desempenho, a qualidade aponta para características indicadoras da satisfação do cliente frente a produtos ou processos. Relacionada à satisfação do cliente, a qualidade também se vincula a ausência de defeitos e falhas. No entanto, não podemos perder de vista que um produto ou processo sem deficiências não significa necessariamente que satisfaça o cliente, porque algum produto ou processo concorrente pode apresentar um desempenho melhor, atraindo o cliente. Qualidade também significa adequação ao uso.

Hoje em dia é fundamental um planejamento para desenvolvimento de produtos consistente e que abranja as diversas fases do processo. Estas fases consistem do planejamento em si, desenvolvimento do produto e processo, validação e otimização. No entanto, não se pode deixar de relevar a fase de orçamento que antecede o planejamento, pois este é o momento certo para verificar a viabilidade técnica e econômica do negócio.

Na linguagem utilizada pelos fornecedores da indústria automobilística, a definição e/ ou função destas fases são:

Planejamento: Identificação, compreensão e registro dos requisitos do produto, necessidades do cliente para a concepção do sistema de manufatura adequado aos objetivos de qualidade, custo e prazo, ou seja, a análise crítica das especificações do cliente. Assim um planejamento macro é realizado com o auxílio de cronogramas de desenvolvimento, no qual são evidenciados os prazos para etapas fundamentais como submissão de amostras à análise do cliente, eventos de montagem programados e início de produção dentre outros;

Normalmente os prazos são estabelecidos pelo cliente, havendo impossibilidade do cumprimento e consequentemente a necessidade de postergar alguma etapa, é requerida formalização ao mesmo pelo Gerente do Projeto ou via Depto. Comercial;

As experiências adquiridas ao término do planejamento da qualidade de um produto devem ser utilizadas como referência para a prática de melhoria contínua e em desenvolvimentos futuros (lições aprendidas).

Desenvolvimento: Detalhamento e implantação do sistema de manufatura conforme concepção e objetivos definidos na fase de planejamento. São definidos os equipamentos necessários para manufaturar o produto, layout’s das instalações, fluxograma do processo produtivo, instruções de trabalho, FMEA e plano de controle;

Um dos pontos mais importante, quando aplicável, é o desenvolvimento dos subfornecedores utilizando-se a metodologia do PPAP (Processo de Aprovação de Peças de Produção), mesma metodologia utilizada pela maioria dos fabricantes de automóveis. O PPAP tem como objetivo verificar se todos os requisitos do projeto e especificações do cliente foram adequadamente compreendidos e se o processo de fabricação tem potencial para produzir produtos que atendam tais requisitos durante os lotes efetivos de produção.

Nesta fase, também, é fundamental a confidencialidade das informações relativas ao planejamento da qualidade do produto. A confidencialidade pode ser obtida através da restrição ao acesso às informações constantes na documentação do cliente, projetos, peças protótipos, amostras preliminares, resultados de ensaios e medições, etc.

Validação: Certificação do atendimento aos objetivos de qualidade, prazos e custos estabelecidos na fase do planejamento. A validação basicamente é concedida através da aprovação dos meios de produção, da certificação do processo de fabricação, e dos ensaios de durabilidade e confiabilidade do produto final. Em se tratando da indústria automobilística esta fase, na maioria das vezes, é avaliada pelo cliente através do acompanhamento da produção de lotes piloto. Durante esta produção são medidos os tempos de realização do processo, paradas para manutenções e refeições, set-up, refugos e a própria qualidade do produto.

Otimização: Análise e proposição de melhorias para redução e eliminação de variabilidade no processo visando elevar o valor agregado do produto final;

Verificação da efetividade do planejamento da qualidade e a correta assistência técnica ao cliente;

Uma ferramenta muito utilizada na otimização de processos é a Engenharia e Análise do Valor (EAV), cujo objetivo é sistematizar a identificação da função de um produto, estabelecer um valor monetário para a função e prover o atendimento desta função com a qualidade necessária e com o menor custo global através do uso da criatividade. Valor econômico é o menor custo atribuído a um determinado produto ou serviço, que deverá possuir a qualidade necessária para atingir a função desejada. Função é toda e qualquer atividade que um produto desempenha ou tudo aquilo que faz o produto trabalhar e vender.

Em processos de desenvolvimento a decisão de se aplicar a Engenharia e Análise do Valor, normalmente, é da alta direção da empresa ou do Gerente de projetos. Muitas empresas aplicam esta metodologia, também, em produtos correntes com margem de lucro reduzida e para atendimento aos programas de proposição de melhorias/ redução de custos solicitados pelos clientes.

Em meu ponto de vista, a exigência dos fabricantes de automóveis pela adoção de uma sistemática e/ou procedimentos para o planejamento da qualidade tende a beneficiar toda cadeia. Primeiro, as montadoras, com uma significativa melhoria nos padrões de qualidade acarretará em melhorar sua imagem perante o mercado e consequentemente aumentar sua riqueza. Segundo, os fornecedores, com produtos e processos robustos e capazes certamente reduzirão as perdas com a não-qualidade, de conseqüência será adquirida maior confiança de seus clientes e o aumento de seus lucros. Terceiro, o usuário final, que certamente irá adquirir um produto que atenda suas expectativas de consumo com baixo custo e menor gasto com as manutenções.

Referências Bibliográficas:

- Advance Product Quality Planning – APQP, Manual 4ª edição;
- Requirements System Quality – QS 9000, Manual 3ª edição
- Norma ISO/ TS 16949, 2002

 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo