Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão e Tecn. da Informação

Virtualização, cloud computing e TI verde elevam orçamentos de TI

ComputerWorld - Abril 2009

Previsão do Gartner aponta que, mesmo timidamente, os orçamentos globais de TI devem crescer em 2009. Segundo estudo realizado pelo instituto de pesquisa, TI Verde, cloud computing e virtualização serão os responsáveis pelo aumento de 0,2% nos budgets da área. Impulsionadores tecnológicos do momento, Matt Boon, vice-presidente de pesquisas da organização, explica que que esses tópicos estão entre as três maiores preocupações dos CIOs atualmente, mas alerta que o pulo-do-gato é mostrar como alinhar essas apostas aos negócios.

Para alcançar tal nível de integração, no entanto, Luis Anavitarte, vice-presidente de pesquisas do Gartner para mercados emergentes, afirma que fornecedores devem realizar trabalho de conscientização para fazer com que as corporações entendam o motivo pelo qual devem investir em cloud computing, por exemplo. Como forma de balizar essa opinião, Anavitarte conta que, ao mesmo tempo, 26% das maiores organizações brasileiras pretendem aumentar os gastos com computação em nuvem este ano e 60% dos participantes da pesquisa ainda não ouviram falar da tecnologia.

Em relação à virtualização, o especialista conta que 48% das grandes companhias locais pretendem aumentar os gastos, uma expectativa bastante semelhante ao verificado em outros mercados, como a Austrália. "Esse modelo é onde as empresas estão gastando e é onde elas continuarão a gastar. É uma tecnologia-chave e considerada 'quente' pelas organizações. TI Verde e cloud computing estão em um estágio anterior à virtualização, no que diz respeito à maturidade", avalia Boon.

Mas isso não significa que as duas tendências tecnológicas sejam fracas. Pelo contrário, na análise de Boon. Ele ressalta que o avanço do cloud computing depende, em grande parte, da disseminação do uso de soluções de virtualização, o que exige dos fornecedores educar o mercado e estabelecer um relacionamento de longo prazo com os clientes.

Quanto à TI Verde, o modelo que visa reduzir gastos energéticos receberá mais recursos em 2009, segundo 39% das organizações pesquisadas pela consultoria. No Brasil, dizem os dois especialistas, o custo da energia elétrica e o impacto ambiental das tecnologias tradicionais são os fatores mais fortes que levam as empresas a considerar o uso de Green IT.

"Ela não é a atual prioridade número 1 dos CIOs, por causa da crise econômica, mas faz sentido investir em TI Verde porque ela resultará em economia de custos no longo prazo. Os fabricantes devem investir em desenvolver e prover soluções deste tipo, especialmente em países como o Brasil", avalia Boon.

Anavitarte acrescenta que, em alguns anos, os governos dos países terão importante impacto na disseminação de políticas de TI Verde pelas companhias, com o surgimento de normas e legislações a respeito do assunto. "No futuro, Green IT não será uma opção, será mandatória", sentencia o especialista.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo