Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Meio Ambiente

Desenvolvimento sustentável seguido à risca

Cínthia Coelho

Usiminas investe em projeto de expansão sem perder o foco nas demandas ambientais. Recuperação do porto de Sepetiba, orçado em R$ 40 milhões, pretende ser referência em recuperação ambientall


R$ 164 milhões. Este foi o valor investido pela Usiminas em programas de proteção ambiental em 2008. Valor que supera os investimentos na área em 2007: R$ 92 milhões. Desde o início das operações da siderúrgica, iniciados em 1962, o montante direcionado para o meio ambiente supera R$ 1,4 bilhões.Isto explica porque a Usiminas foi eleita uma das 20 empresas-modelo pelo Guia Exame de Sustentabilidade, em 2008. Explica também porque a empresa é a única siderúrgica da América Latina a integrar, pela segunda vez consecutiva, o Índice Dow Jones Global de Sustentabilidade (DJSI, sigla em inglês).

Para ser incluída no índice internacional, as práticas corporativas da Usiminas foram analisadas, bem como sua atuação sócio-ambiental (ver box), transparência, governança corporativa, gerenciamento de riscos, práticas de trabalho, marca e padrões estabelecidos para cadeias de fornecedores.

Recentemente, a siderúrgica foi recertificada em gestão ambiental. A ISO 14001, que comprova a qualidade do gerenciamento ambiental da empresa, foi concedida pela primeira vez à Usiminas em 1996. Na época, a siderúrgica foi a primeira usina integrada no Brasil e a segunda do mundo a ser reconhecida pela norma.

Os investimentos da Usiminas em Meio Ambiente mostram, sobretudo, que o crescimento econômico de uma empresa pode sim vir acompanhado do desenvolvimento sustentável. A empresa registrou lucro líquido de R$ 880 milhões no terceiro trimestre de 2008. No resultado acumulado até setembro, o lucro líquido foi de R$ 2,4 bilhões, 8% acima do registrado no mesmo período de 2007.

A Usiminas é hoje o maior complexo siderúrgico de aços planos da América Latina e líder no mercado nacional. Para manter seu posicionamento estratégico, Marco Antônio Castello Branco, presidente da Usiminas, pretende direcionar nos próximos anos cerca de US$ 14 bilhões em um ambicioso projeto de expansão dos negócios da empresa.

Boa parte deste investimento será destinado à construção de uma usina de placas em Santana do Paraíso (MG), que será responsável pelo acréscimo de 5 milhões de toneladas à capacidade de produção anual de 9,5 milhões de toneladas de aço. O projeto inclui a atualização tecnológica e aumento da capacidade de laminação das usinas de Ipatinga, em Minas Gerais, e de Cubatão, em São Paulo.

“Antes de aprová-lo, submetemos o projeto de expansão a avaliações rigorosas, levando em conta o seu impacto. E isso inclui também a participação de fornecedores”, explica Castello Branco. Paralelo a isto, o presidente da Usiminas busca também manter a ecoeficiência da fábrica e a redução do volume de resíduos.

Um dos grandes desafios ambientais da Usiminas é, sem dúvida, a construção de um terminal no porto Sepetiba, no litoral do Rio de Janeiro. Em junho passado, a siderúrgica adquiriu um terreno para a construção de um terminal de embarque marítimo que terá como objetivo o escoamento de seus produtos. No entanto, esta área está contaminada com produtos tóxicos, entre eles, o zinco. Serão necessários R$ 40 milhões para recuperar o terreno. A intenção da Usiminas é tornar a área uma referência em recuperação ambiental.

Mata Atlântica - O desenvolvimento sustentável da Bacia do Rio Doce, uma das principais bacias hidrográficas dentro do bioma da Mata Atlântica, no interior de Minas Gerais, é o principal foco da parceria entre Usiminas e Instituto BioAtlântica (IBio), anunciada em dezembro passado.

A região-alvo da parceria será a sub-bacia do Ribeirão do Boi, área que compreende os municípios de Caratinga, Entre Folhas, Vargem Alegre e Bom Jesus do Galho. Predominantemente rural, a população da região se concentra em micro e pequenas propriedades (média de 30 hectares) que  utilizam práticas agropecuárias pouco eficientes e incompatíveis com a conservação do meio ambiente. Os resultados são solos improdutivos, contaminação de rios, pastagens degradadas e de baixa produtividade.

A capacitação dos produtores para práticas sustentáveis é o objetivo da parceria. A estimativa é que cerca de 600 famílias serão beneficiadas na região, que atualmente tem Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de apenas 0,65 - abaixo da média nacional que é de 0,800.


Principais iniciativas ambientais

- Projeto Xerimbabo, o maior projeto de educação ambiental de Minas Gerais;
- Programas áreas verdes, iniciativa que abrange os projetos Viveiro Central, Parque   Zoobotânico, Bosques Urbanos, Projeto Mata Ciliar e Usimel;
- Centro de Biodiversidade da Usipa

Principais iniciativas sociais

- Formação e requalificação profissional: A Usiminas tem proporcionado formação profissionalizante a menores aprendizes em mecânica, elétrica, tornearia, soldagem, eletrônica e operação siderúrgica;
- Cultura: a empresa é considerada a maior patrocinadora cultural de Minas Gerais. Desde 1993, já foram investidos mais de R$ 100 milhões.


Em parceria com a Superintendência de Comunicação da Usiminas

Crédito da foto: Divulgação Usiminas

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo