Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Responsabilidade Social

Sustentabilidade pode ser um diferencial

Alexandre Heinermann

Sócio-diretor da consultoria KPMG

Gazeta Mercantil - 10/11/2008 - pág. B5

Em tempos de crise no mercado financeiro global, algumas perguntas se tornam recorrentes. Devemos fazer investimentos na gestão da sustentabilidade? Como enfrentar os desafios das emissões de carbono? Quais devem ser as prioridades? O que devemos buscar para garantir a perenidade das empresas?

A maioria destes questionamentos tem sido levantada pelos executivos que enfrentam este novo cenário internacional. Muitos estão direcionando seus esforços na tentativa de retomar a confiança e a estabilidade de suas empresas. Neste contexto, integrar a sustentabilidade ao core business da empresa tem sido a estratégia mais adequada. Mais do que em qualquer outra época, a sustentabilidade tornou-se uma oportunidade para as empresas alcançarem o equilíbrio de sua gestão, aliando rentabilidade a uma atuação responsável em relação à sua governança corporativa, impactos sociais e ambientais de suas atividades e ações.Recentemente, um estudo da KPMG em parceria com o Cies, realizada com presidentes de empresas do ramo alimentício que atuam em diversos países do globo, observou que a sustentabilidade representa um guia de inovação; vista como uma importante aliada das companhias na busca pela confiança dos consumidores e na consolidação de mercados que estão cada vez mais competitivos.

A sustentabilidade não é mais vista como um programa que irá gerar apenas custos. Não é mais somente uma ferramenta para a gestão de riscos, ou conformidade com normas e padrões. Ela é encarada como um impulso para a inovação e credibilidade. O mercado tem dado sinais de que o comportamento de consumo está em transição. No futuro próximo, as empresas não estarão mais brigando, em primeira instância, por preço, e sim por confiança. Passará a ser uma questão de sobrevivência conseguir unir as três dimensões de um negócio: econômica, social e ambiental. Isso, claro, sem que uma prevaleça sobre a outra.

A adoção de estratégias para alcançar negócios sustentáveis não se deve às exigências formais, mas sim às necessidades dos negócios. Olhando nessa direção, já vemos que as empresas têm se preocupado cada vez mais em identificar e corresponder às demandas de seus stakeholders, que sinalizam freqüentemente suas expectativas e tendências.

Outra conclusão interessante da pesquisa é que muitas empresas consideram que as expectativas dos acionistas, fornecedores e consumidores, de uma maneira geral, são mais importantes para definir suas estratégias do que os códigos voluntários, impostos, ou custos de operação, por exemplo.

O foco da sustentabilidade está se distanciando de uma simples publicação de relatórios de sustentabilidade, e está caminhando para um exercício mais desafiador que consiste em identificar e estipular as prioridades para questões-chave da empresa.

E apesar do efeito da crise econômica no planejamento das organizações, entre junho e julho, quando a instabilidade no mercado já apresentava sinais, mais da metade das empresas afirmou que os investimentos em sustentabilidade não serão reduzidos em caso de retração da economia. O que mostra a crença de que uma estrutura consistente de sustentabilidade no nível estratégico possibilita atravessar momentos de turbulência no mercado sem maiores prejuízos.

Os investimentos em sustentabilidade também estão gerando outras conseqüências benéficas para a companhia, a retenção dos melhores talentos, que é atualmente um dos maiores desafios de crescimento para as empresas. Com o nome sólido no mercado, as empresas sustentáveis tornam-se foco de interesse de jovens que associam a continuidade do negócio a longo prazo a uma grande oportunidade de crescimento e valorização da carreira.

No livro “O Verde que Vale Ouro”, lançado recentemente no Brasil pela editora Campus Elsevier, Daniel Esty e Andrew Winston discorrem sobre a tese de que as empresas inteligentes saem na frente da “onda verde” e passam a enxergar e cuidar dos negócios sob o ponto de vista do tripé sustentável; que leva em consideração os aspectos econômicos, sociais e ambientais.

As empresas líderes em seus segmentos constróem um novo tipo de vantagem competitiva sustentável em relação aos concorrentes ao cortar custos e aumentar a receita e o valor intangível. E dessa maneira, criam uma relação estreita com clientes, funcionários e demais stakeholders. Esta estratégia tem como resultado uma maior liberdade de operação, lucros e crescimento, além da redução do risco financeiro.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo