Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Gestão em TI

Mas o que é, afinal, governança de TI?

Júlio Vigorito

CEO da Mindware

A experiência de mais de sete anos em implantações de projetos de automação dos processos de tecnologia da informação (TI) e com a viabilização da governança de TI me levou a uma definição simples dessa atividade: trata-se de um modelo de ações orientado à transparência e administração de riscos.

Essa definição é uma tentativa de sintonizar a governança de TI com a realidade de Chief Information Officer (CIO) e gerentes de tecnologia com os quais nos deparamos no dia-a-dia. Em nossa caminhada à frente das áreas de informática, reconhecemos que, enquanto a TI resolvia o problema do negócio, nas caldeiras da tecnologia reinava a ausência de processos e controle. Uma armadilha fácil de entrar.

A onda de governança que chegou à tecnologia da informação exige o fim da anarquia e um controle tão exigente quanto o das áreas de negócios. Mas não podemos falar de governança de TI sem falar em risco de TI. É inacreditável que as áreas de negócio venham conduzindo há anos suas ações sob a ótica de riscos, o que requer uma mensuração de perda e probabilidade do evento, enquanto a TI não tem seus próprios índices. É impensável que um executivo de TI não possa comprovar, em números, o valor de suas perdas. Como é possível trabalhar na incerteza? Como é possível desconhecer os valores e até mesmo desconhecer quais as perdas envolvidas?

Não existe governança de TI se não existir a capacidade de medir a perda financeira acarretada por um ou mais eventos.
Mas de que adianta conhecer e administrar os riscos se não pudermos implantar e investir em ações preventivas? Por muito tempo, CIOs e gerentes viveram - e ainda vivem - o dilema de explicar, convencer a diretoria de que os investimentos para prevenir riscos seriam infinitamente menores do que as perdas que o negócio poderia sofrer. Obviamente, nenhum executivo nunca ousou questionar o valor da TI, mesmo assim investimentos para prevenção sempre foram adiados e questionados. Era uma questão de fé. Ou se acreditava na palavra do CIO ou nenhum centavo seria liberado.

O desafio é comprovar para o negócio os danos do incêndio sem ter de passar pelo fogo! Comprovar as perdas - mais do que isso, os valores das perdas! - sem precisar passar por verdadeiros sinistros de indisponibilidade, de falta de desempenho, de erros de funcionalidade, de fragilidade de segurança, de falta de capacidade, entre outras anomalias de TI que interromperiam os serviços e causariam danos reais.

Hoje, graças ao "frameworks" de melhores práticas e outras soluções, a área de TI tem recursos capazes de mensurar as perdas e os riscos para o negócio e pode chegar munido de provas para sua diretoria. Além disso, a governança, que começou pelas áreas de negócios, ensinou o board das empresas sobre a verdade dos riscos. Quem aprendeu a lição das melhores práticas de negócios sabe que não se pode pagar para ver. É pagar para não perder.

Chegou a hora de fazer melhor e fazer direito o que se faz há muito tempo. As ações de governança previnem os males. A habilidade do CIO neste tipo de prevenção é o que realmente o distingue dos demais. Investimentos na saúde dos recursos de TI serão sempre bem menores que as perdas que podem ser provocadas no negócio pela falta de recursos. Os investimentos são efetuados antes de qualquer sinistro. Conhecendo a perda e a probabilidade dos eventos de gerar a perda (risco), investe-se com a freqüência necessária para permanecer sempre saudável.

Em um roteiro simples para a governança de TI, em primeiro lugar, adote correndo frameworks de melhores práticas, como ITIL de forma automatizada, o que significa incorporar em software as práticas já testadas e aprovadas de TI. Em segundo lugar, desenvolva ações contínuas de prevenção. Uma boa governança é resultado da freqüência das ações e não da intensidade das ações. Em seguida, opte por sistemas que o ajudem a comprovar as possíveis perdas que o negócio poderá ter caso a TI sofra um sinistro - sem precisar passar por elas.

Que os executivos de TI sejam bem-vindos ao mundo da governança, da transparência, da administração de riscos dos recursos face aos objetivos de negócio. Ao mundo dos processos, pessoas, cultura e automação, ao mundo que já existe como parte integrante e sedimentada da governança do negócio.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo