Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão de Projetos

A Gestão da Qualidade e sua Importância em Projetos

Christiane Carraro Prubel

Arquiteta Urbanista e Pós Graduada em Gestão de Projetos pelo Ietec

RESUMO

Este artigo discorre sobre a importância da gestão da qualidade na gestão de projetos. Apresenta as definições da qualidade adotadas pelo Guia PMBOK e a ISO 9000, assim como os processos sugeridos pelo PMBOK e as ferramentas que são utilizadas na etapa de planejamento, garantia e controle da qualidade. Por fim, aborda-se a questão da qualidade nas empresas de projeto brasileiras, suas dificuldades, motivações e os resultados obtidos.

Palavras Chave: gestão da qualidade, princípios da qualidade, ISO.

1. INTRODUÇÃO

A gestão da Qualidade é uma das sete Áreas de Conhecimento necessárias para se gerenciar um projeto. Os princípios e os processos da gestão da qualidade têm sido bastante discutidos, devido à falta de qualidade dos projetos, considerada como grande barreira para o avanço tecnológico e organizacional da indústria de construção do país. Este artigo tem como objetivo mostrar quais são os processos da Gestão da Qualidade e sua devida importância no ambiente de projetos, discutir a definição de qualidade adotados pelo PMI e sua compatibilidade com a International Organization for Standardization (ISSO), além de discutir os impactos na implementação dos princípios de qualidade em empresas de projeto.

2. CONCEITOS DE QUALIDADE

Quando se discute sobre qualidade, cabe ressaltar que o gerenciamento da qualidade do projeto deve ser direcionado tanto para os processos de gerenciamento do projeto quanto para o produto ou serviço final do projeto. Além disso, é importante ter em mente seus conceitos, portanto, a explanação dos mesmos segue abaixo. A norma ISSO 8402 define qualidade como sendo a “totalidade de características de uma entidade, que lhe confere a capacidade de satisfazer as necessidades explícitas e implícitas”.

Já a ISSO 9000:2000 define qualidade como “grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos”. Onde qualidade pode ser entendida com adjetivos tais como má, boa ou excelente e inerente significa a existência em alguma coisa, especialmente como uma característica permanente. Na ISO 10006 o enfoque é que a obtenção da qualidade é uma responsabilidade gerencial, requer o compromisso com a qualidade por todos os níveis da organização envolvidos no projeto, onde cada qual assume responsabilidade por seus respectivos processos e produtos.

O guia PMBOK define qualidade como “o grau até o qual um conjunto de características inerentes satisfaz as necessidades”. Segundo o PMI, “um projeto com qualidade é aquele concluído em conformidade com os requisitos, especificações e adequação ao uso”. O que cabe ressaltar, a respeito da análise dos conceitos, é que todos são voltados para atender aos requisitos do cliente assim como suas expectativas e as especificações do produto. Segundo Kezner (2001), a qualidade constitui um processo contínuo de melhorias.

Outro aspecto importante que se refere à qualidade é que não está associada às funcionalidades atribuídas ao produto, ou seja, ao grau. A qualidade, portanto, pode ser entendida como obrigação contratual e é mensurável. Ao longo do projeto, podem ser definidas métricas que fornecem informações vitais sobre a qualidade do processo, produto, atividade ou recurso. Estas métricas podem ser objetivas, metros e/ou subjetivas, bom, médio e agradável. Quanto à abrangência, podem ser globais ou por fase do projeto.

3. PROCESSOS DA GERÊNCIA DA QUALIDADE

O objetivo dos processos envolvidos no gerenciamento da qualidade visa assegurar que o projeto será concluído com a qualidade desejada, portanto satisfazer as necessidades do cliente e os requisitos do produto. Atualmente, a gestão da qualidade tem se preocupado em evitar falhas. Os processos são:

Planejamento da Qualidade - É um processo auxiliar que facilita o planejamento cujo foco principal é a identificação dos padrões da qualidade relevantes para o projeto e como satisfazê-lo. Assim, ele define as políticas a serem seguidas, assim como métricas, características do produto e itens de controle das atividades. É também no planejamento que se elabora listas de verificação, identifica normas, regulamentos e legislações aplicáveis e são definidos responsáveis e autoridades. As Ferramentas Técnicas do planejamento da qualidade são as colocadas abaixo:
 Análise de Custo Benefício – analisa se vale ou não a pena fazer determinados testes.
 Benchmarking – compara práticas aplicadas em diferentes projetos.
 Projeto de Experimento – é mais aplicada ao produto
 Custos da Qualidade – custo total de todas as ações que usam a garantia da qualidade.

Realizar a Garantia da Qualidade - Atividades planejadas dentro do sistema de qualidade cujo objetivo é gerar a confiança de que o projeto irá satisfazer a todos os padrões de qualidade do cliente, buscando sempre a melhoria. As ferramentas utilizadas para a garantia da qualidade são:
 Auditorias de Qualidade – verificam a conformidade do processo, além de ser ferramenta importante para obtenção de lições aprendidas.
 Análise do Processo.

Realizar o Controle da Qualidade - É o processo que monitora os resultados específicos do projeto. O objetivo do controle da qualidade é a melhoria da manutenção da qualidade. As ferramentas do controle da qualidade são:
 Diagrama de Causa e Efeito – apresentação do efeito associado às potenciais causas. As causas são organizadas em grupos de origem.
 Gráficos de Controle – é uma ferramenta preventiva para identificar problemas, através de uma disposição gráfica dos resultados do processo ao longo do tempo.
 Elaboração de Fluxogramas – detalhamento das atividades executadas onde se vêem falhas e gargalhos.
 Histograma – gráfico de barras que representa a distribuição de freqüências.
 Diagrama de Pareto – histograma, ordenado por freqüência de ocorrência, utilizado para direcionar ações corretivas.
 Gráfico de Execução.
 Diagrama de Dispersão – relacionamento existente entre valores correspondentes a uma série de duas variáveis.
 Amostragem Estatística – a amostragem escolhe uma parte do produto para ser verificado.
 Inspeção;
 Análise de Reparo e defeito.

4. A QUALIDADE NAS EMPRESAS DE PROJETO BRASILEIRAS
Na indústria da construção civil, a maioria dos projetos é desenvolvida por pequenos escritórios ou por profissionais autônomos. Esse aspecto, aliado à descontinuidade dos ciclos de produção inviabilizam a manutenção de equipes internas de projeto. O preço do mercado é que define a contratação dos profissionais e escritórios, nem sempre considerando a qualidade. O relacionamento entre os clientes e fornecedores limita-se à duração do empreendimento (CARDOSO et al., 1998).

Birnberg (1998) aponta que os projetistas raramente estabelecem mecanismos formais de garantia da qualidade e tendem a minimizar ou ignorar procedimentos devido às pressões das entregas e orçamentos. Esses fatores, aliados a outras dificuldades dos escritórios de projetos, geram uma baixa qualidade nos projetos executados que se estende ao canteiro de obras. Há várias dificuldades para a melhoria na qualidade dos projetos. Segundo Baía (1998) outros fatores são:
 Ausência de mecanismos para a captura das necessidades dos clientes;
 O excesso de retrabalho resultante de alterações de projeto;
 Falta de coordenação entre os projetistas;
 Postergação na contratação dos projetos de estruturas e sistemas prediais;
 Carência de procedimentos de controle da qualidade;
 Ausência de representante da produção durante o processo de projeto.
O que fica evidente é a necessidade crescente de recapacitação dos escritórios e a melhoria na qualidade do processo de projeto. Em uma pesquisa com construtoras que obtiveram a certificação, Reis (1998) identificou uma maior preocupação com a fase de projeto e a contratação dos projetistas durante a etapa de concepção do empreendimento. As construtoras passaram a desenvolver procedimentos para os processos de projeto e promover avaliações dos fornecedores. Os escritórios passaram a desenvolver serviços mais alinhados à qualidade e contratantes públicos vêm intensificando a qualidade dos fornecedores e implementando sistemas de gestão da qualidade.

Há também uma preocupação com melhorias nas formas de integração entre projeto (desenvolvimento do produto edificado) e execução nos canteiros de obras (VIEIRA E ANDERY, 2001). Estudos revelam que a implementação de sistemas de gestão a qualidade pode proporcionar aos escritórios de projetos e construtoras, vários benefícios como:
 Redução de custos, riscos e imcompatibilidades;
 Aumento da eficiência, dos lucros e da penetração no mercado;
 Validação dos documentos e gestão das comunicações;
 Profissionais mais motivados;
 Mentalidade de equipe;
 Diminuição do número de não conformidades com relação aos projetos;
 Diminuição do retrabalho e no descarte de materiais.

Atualmente, devido à concorrência do mercado, a implementação de sistemas da qualidade “apresenta-se como uma alternativa concreta para atender a essa demanda por maior eficiência, satisfazendo as necessidades de projetos mais precisos e obras mais adequadas às condições dos clientes, com custo e prazos projetuais menores” (AMORIM, 1997).

Os escritórios de projetos, assim como as construtoras têm aumentado sua preocupação com o emprego de novas formas de racionalização, com ênfase nos programas de qualidade ISSO 9000 e o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade no Habitat PBQP-H.

As maiores motivações para a implementação dos sistemas de gestão da qualidade são referentes á melhoria na organização interna, aumento da eficiência produtiva, acompanhar a tendência do mercado e a diferenciação do mercado devido á notoriedade advinda da certificação. As maiores dificuldades encontradas na implementação foram:
 Escassez de Recursos Humanos e materiais para elaboração dos procedimentos e implementação dos sistemas;
 Padronização dos processos;
 Burocratização do sistema;
 Elevados custos diretos e indiretos na sensibilização e treinamento dos líderes.

5. CONCLUSÃO

Com relação à implantação dos sistemas de gestão da qualidade conclui-se que as maiores dificuldades se encontram no fato de que as empresas possuem pequeno porte, pouca capacidade de investimento e grande número de subcontratações e estruturas com poucos níveis. Em geral, foram obtidos resultados satisfatórios cujo sistema de gestão da qualidade contribuiu para a padronização dos processos por meio da confecção de procedimentos.

Os escritórios de projetos e construtoras têm alcançado alto índice de melhorias com a implantação dos sistemas de qualidade, apesar de encontrarem dificuldades de várias questões.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMORIM, S.R.L. Qualidade do projeto: uma abordagem voltada para os escritórios de arquitetura. In: WORKSHOP QUALIDADE DO PROJETO, 1997, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: PROARQ/FAU/UFRJ, 1997.
BAÍA, J. L. Sistemas de gestão da qualidade em empresas de projeto: aplicação ao caso das empresas de arquitetura. 1998. 224 f. Dissertação (mestrado em Engenharia Civil) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
BIRNBERG, H. G. Project Management for building designers and ouwers. 2nd. Ed.Boca Ratton: CRC, 1998. 256 f.
CARDOSO, F.F.; SILVA, F.B.; FABRÌCIO, M.M. Os fornecedores de serviços de engenharia e projetos e a competitividade das empresas de construção de edifícios.
In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL NUTAU-98 DE ARQUITETURA E URBANISMO, 1998, São Paulo. Tecnologias para o Século XXI: anais. São Paulo: FAU/USP, 1998. 1 CD-ROM.
REIS, P.F. Análise dos impactos da implementação de sistemas de gestão da qualidade nos processos de produção de pequenas e médias empresas de construção de edifícios. 1998. 254f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.
GUIA PMBOK. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos. Terceira edição. Uma Norma Nacional Americana. ANSI/PMI 99-001-2004.
Como se tornar um Profissional em Gerenciamento de Projetos: livro-base de “Preparação para Certificação PMP – Project Management Professional”/supervisão Paul Campbel Disnsmore; coordenação: Adriane Cavalieri. 2ª ed. 2005. 352f. Rio de Janeiro.
MELO, P.P.O. Gestão da Qualidade – Processo. 2006. In: PÓS GRADUAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO EM GERENCIAMETO DE PROJETOS. 2006. IETEC.
SOUZA, R. et al. Sistema de Gestão da Qualidade para Empresas Construtoras. São Paulo. PINI. 1995. 247p.

Saiba mais sobre o curso de pós-graduação em Gestão de Projetos, clicando aqui.

 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo