Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão e Tecn. da Informação

Gerenciamento de projetos em processo ágil de desenvolvimento de software

Antônio Geraldo Gonçalves Viana

Analista de Sistemas pós-graduado em Gestão de Projetos pelo Ietec

Resumo

A gerência de projetos constitui um item essencial para a conclusão com sucesso de projetos. Porém, às vezes, métodos tradicionais de gerenciamento não atendem plenamente certos tipos de projetos. Esse é o caso de projetos de desenvolvimento de software, visto que esse tipo de projeto traz muita alteração durante seu desenvolvimento.

O método ágil de desenvolvimento de software surgiu e tem ganhado muitos adeptos dado sua facilidade de adaptação à mudanças. 


Introdução


Nessa interessante e desafiadora área que é a gestão de projetos e claro, a condução de projetos ao sucesso que é o que todos os envolvidos esperam, os projetos de desenvolvimento de software por muitas vezes aparecem em casos de insucessos em muitas das estatísticas levantadas, seja porque não chegam ao fim, seja por não alcançar o objetivo esperado com relação a funcionalidades, prazo ou custo.

Com isso, devido o setor de projetos de desenvolvimento de software estar sujeito a constantes mudanças durante a sua execução, surgiu como alternativa ao método de gerenciamento tradicional, centrado em processos e menos flexível em relação à mudanças, uma metodologia de desenvolvimento chamada “Método Ágil” e com ela diretivas para conduzir projetos dessa natureza. Esse método objetiva atender às necessidades de rápidas mudanças.

Esse artigo tem por objetivo apresentar as principais características desse método em conjunto com uma breve análise comparativa com o método tradicional de gerenciamento.


Definição e principais características do Método Ágil de Desenvolvimento de Software


Método ágil de desenvolvimento de software trata-se de uma metodologia em que um projeto de desenvolvimento de software como um todo é dividido em etapas menores, chamadas de iteração, que geralmente duram de 2 a 4 semanas no máximo e ao final de cada etapa há uma reavaliação das prioridades do projeto e um possível replanejamento da etapa que virá em seqüência.

Cada iteração é como um projeto de software em miniatura de seu próprio, e inclui todas as tarefas necessárias para implantar o mini-incremento da nova funcionalidade: planejamento, Análise de Requisitos, projeto, codificação, teste e documentação. Enquanto em um processo convencional, cada iteração não está necessariamente focada em adicionar um novo conjunto significativo de funcionalidades, um projeto de software ágil busca a capacidade de implantar uma nova versão do software ao fim de cada iteração. Ao dividir o processo em curtos períodos essa metodologia de desenvolvimento busca minimizar os riscos.
 

Métodos ágeis enfatizam comunicações em tempo real, preferencialmente face a face, a documentos escritos. A maioria dos componentes de um grupo ágil (analistas, desenvolvedores, até mesmo clientes) deve estar agrupada no mesmo ambiente de trabalho.

Sendo assim, podemos destacar algumas características deste método:

• Softwares funcionais são entregues frequentemente (semanas ao invés de meses);

• Até mesmo mudanças tardias de escopo no projeto são bem vindas;

• Cooperação constante entre pessoas que entendem do “negócio” (clientes) e desenvolvedores;

• Rápida adaptação à mudanças;

• Enfoque em indivíduos e suas interações em vez de processos e ferramentas.

• Adequado para equipes que têm que lidar com mudanças rápidas ou imprevisíveis nos requerimentos.

Comparação entre o gerenciamento em métodos ágeis de desenvolvimento de software e gerenciamento tradicional de projetos

É possível fazer um paralelo entre as diretivas utilizadas em gerenciamento tradicional, proposto pelo PMBOK, e as utilizadas por um método ágil, nas nove áreas de conhecimento:


Escopo


No gerenciamento tradicional existe uma preocupação em definir o escopo detalhado no início do projeto, formalizando-o com a WBS (Work Breakdown Structure) através da qual são definidos os produtos a serem entregues ao cliente. Toda a informação levantada é documentada na especificação de requisitos que servirá de base para a gestão de mudanças durante o andamento do projeto.

No gerenciamento ágil a preocupação está em definir o escopo em um alto nível para permitir o entendimento do trabalho. Após a definição do escopo, os requisitos são priorizados e definidos com a participação de toda a equipe do projeto, inclusive o cliente, que discute e define as funcionalidades durante cada iteração do ciclo de desenvolvimento.

Essa abordagem traz como possibilidade a existência de trabalho extra que não faz parte do projeto, o chamado gold plating. Isso ocorre devido a documentação mínima que é gerada, pela interação próxima entre o cliente e a equipe

A prática de definição, verificação de escopo, criação de WBS no método ágil é feita a cada iteração.


Tempo


Os processos de definição e estimativa de esforço e duração das atividades são comuns aos dois métodos, que irão diferir na forma de elaboração do cronograma.
A elaboração de um cronograma detalhado de todas as atividades para a execução do projeto é uma característica do método tradicional.

No método ágil o cronograma é orientado ao produto que será produzido em cada iteração, que é planejada de acordo com a prioridade funcional definida pelo cliente.

Estas iterações devem ter duração de duas e quatro semanas para atender rapidamente às necessidades do cliente. Pode-se dize que o prazo final não é claramente definido, ele depende da duração de cada iteração. Isso traz menos impacto ao cliente pois o mesmo estará sempre recebendo produtos parciais mas funcionais


Custo


Para o gerenciamento tradicional as alterações são críticas e afetam todo o projeto. Por isso, existe uma ênfase em controlar, monitorar e documentar estas mudanças de forma a obter as aprovações formais do cliente antes de serem incorporadas ao projeto. O foco está em controlar os custos contra o planejamento inicial.

Para o gerenciamento ágil as alterações são parte do projeto e são incorporadas dentro da iteração mais apropriada e de comum acordo com o cliente. Este modelo favorece a flexibilidade em atender ao cliente, porém o custo final pode sofrer grandes variações se estas mudanças não forem documentadas e devidamente repassadas ao patrocinador do projeto para recomposição do custo inicial planejado.

A análise do retorno de investimento (ROI) é realizada em ambos os métodos.


Qualidade


A diferença entre os métodos está na forma de garantir e controlar a qualidade.
 

O método tradicional foca na elaboração de planos de testes a partir das especificações de requisitos e nos processos de validação e verificação.

O método ágil tem o pessoal de qualidade mais próximo durante todo o ciclo de vida do projeto. Pelo fato do código está sendo feito de forma incremental a cada iteração, testes são realizados desde o início do projeto.


Riscos


A identificação, análise e respostas aos riscos do projeto são comuns às duas formas de gerenciamento de projetos. Porém, enquanto no gerenciamento tradicional é feito um plano formal de gerenciamento de riscos no método ágil a identificação, análise, monitoramento e respostas aos eventos e gatilhos de risco são feitos de forma contínua nas discussões de planejamento das iterações. Ou seja, as reuniões de iteração, de release, de revisão são onde as atividades de gerenciamento de riscos são desempenhadas em sua maior parte.

No que diz respeito ao monitoramento e controle dos riscos, uma reavaliação ocorre durante as reuniões de retrospectiva de cada iteração, onde riscos ou potenciais eventos são revistos para que sejam tomadas ações que elimine os mesmos para as próximas iterações.


Comunicação


A comunicação no gerenciamento tradicional é formal e documentada, com acompanhamento e divulgação dos resultados do trabalho. O objetivo é documentar todos os fatos para evitar conflitos entre os envolvidos do projeto.

O método ágil traz uma melhoria nas comunicações e na interação entre todos os envolvidos, promovendo feedback constante e transparência durante o desenvolvimento do software (Maurer, 2005). A comunicação é colaborativa e direta entre todos os membros da equipe, proporcionada pela proximidade entre todos os envolvidos do projeto. Como é estabelecido um processo informal de comunicação há a necessidade de existir maturidade entre os envolvidos para que sejam evitados conflitos.

O que é certo é que nenhum dos dois métodos fica isento de documentar e divulgar assuntos relevantes durante o projeto.
 

Recursos Humanos


No gerenciamento tradicional a definição clara de papéis e responsabilidade dos membros da equipe é uma premissa para a condução adequada do projeto, pois cada pessoa é treinada e guiada pelo processo na execução de suas tarefas.

No gerenciamento ágil a confiança e a colaboração da equipe são atributos essenciais. O planejamento e tomada de decisões são feitos em conjunto por todos os participantes do projeto. Esta atuação diferenciada exige profissionais seniores e talentosos, embora não necessite que toda a equipe tenha o mesmo nível.

As premiações e as comemorações pela realização de um projeto são fatores motivacionais comuns aos métodos tradicional e ágil.


Aquisição


No gerenciamento tradicional, o processo de aquisição ocorre a partir do escopo bem definido e da documentação detalhada produzida, permitindo o controle e acompanhamento das atividades e do fornecedor durante a construção do produto.

No gerenciamento ágil torna-se bastante difícil o estabelecimento de negociações contratuais devido à volatilidade do escopo do produto.


Integração


O Plano do projeto é  formal e detalhado no início do projeto para o gerenciamento tradicional, enquanto para o gerenciamento ágil deve ser apenas em alto nível e sofre mais alterações durante a execução do projeto.

O controle no gerenciamento tradicional tem alto grau de formalização e todas as ocorrências são documentadas como informações históricas. Para o método ágil, a atuação colaborativa da equipe com o cliente favorece um maior grau de informalidade e o conhecimento implícito é tido como diferencial. O controle de mudanças no gerenciamento ágil está incorporado à rotina diária da equipe.

Outra diferença entre os métodos na integração é o papel do gerente de projetos que no método tradicional tem o controle total do projeto, enquanto no método ágil sua atuação é voltada para o papel de facilitador ou coordenador das atividades.


Conclusão


Tendo sido expostas algumas das principais características do método de gerenciamento ágil e sua correlação com o método de gerenciamento tradicional, pode-se concluir que o método ágil é bem adequado para projetos que tenham um alto grau de mudanças de requisitos devido sua facilidade de rápida adequação à mudanças. Porém, devem ser projetos de pequeno porte e com uma equipe pequena envolvida.

Esse método tem ganhado grande popularidade entre os projetos de desenvolvimento de software, porém, a sua adoção é de grande atenção pois, é um método que senão for adotado um grau suficiente de rigor, devido a pouca documentação gerada e informalidade em muitos de seus processos o objetivo desejado pode não ser alcançado e um caos ser estabelecido.


Referências Bibliográficas


BOEHM, B. W; TURNER R. Balancing Agility and Discipline. Boston; Addison Wesley, 2002.

CÂMARA, FÁBIO. Um cardápio de metodologias ágeis. Visão Ágil. Disponível em: <http://www.visaoagil.com/downloads/edicoes/VA_02.pdf>. Acesso em: 01 mar. 2008.

MAURER, F; MELNIK, G. What You Always Wanted to Know About Agile Methods But Did Not Dare to Ask. Communications of the ACM, ICSE/05, Maio/2005.

GUERRA FILHO, I. A. Gerenciamento da equipe de desenvolvimento mapeando o PMBOK® em metodologias ágeis de desenvolvimento de software. 2006. Disponível em: < http://www.cin.ufpe.br/~iagf/tg/iagf_v2[1].0.doc >. Acesso em: 01 mar. 2008.

HIGHSMITH, J. Agile project management: creating innovative products. Boston: Addison-Wesley, 2004. 312 p .

PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE – PMI. PMBOK Guide: Um guia do conjunto de conhecimentos do gerenciamento de projetos. Pennsylvania: Project Management Institute, 3. ed., 2004.

 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo