Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: RH

A importância da gestão de Recursos Humanos nas organizações

Karina Rochido Silveira

Pós-graduada em Gestão de Projetos pelo Ietec

Introdução

A Era Industrial marca o início do desenvolvimento do capitalismo industrial. Foi a era da inserção da máquina na produção e na produtividade das empresas e foi responsável por mudanças radicais na relação capital versus trabalho.
 
A mecanização trouxe ganhos elevados de produtividade e de lucratividade. As organizações passaram a operar como máquinas e, portanto, esperava-se que os funcionários se comportassem essencialmente como se fossem partes das máquinas. O comportamento-máquina esperado das organizações deveria responder ao conceito: rotina, eficiência, confiabilidade e presivibilidade.
 
Empiricamente, pode-se afirmar que esta concepção de administração restritiva ainda predomina na maioria dos ambientes de trabalho do século XXI. Este comportamento, de certa forma, explica a padronização da emocionalidade, a apatia, a desmotivação, a falta de alegria, o desprazer, o descuido e a falta de dignidade encontrada nas empresas.
 
As Emoções Humanas 
 
Emoção não é um conceito que se possa definir com precisão. Refere-se a estados como alegria, amor, orgulho, raiva, ciúme, medo. A emoção tanto pode ser construtiva como destrutiva, tanto fortalecedora como debilitadora.
 
As emoções são indispensáveis à nossa vida. São elas que nos fazem únicos, é o nosso comportamento emocional que nos diferencia uns dos outros. A natureza e a extensão do nosso repertório de respostas emocionais não dependem exclusivamente do nosso cérebro, mas da sua interação com o corpo, e das nossas próprias percepções do corpo.
 
O ser humano é um indivíduo eminentemente dado a emoções e as emoções têm um papel importante em nossas vidas. Elas dão cores a nossos sonhos, lembranças e percepções, e quando perturbadas, contribuem de forma significativa para as desordens psicológicas.
 
Satisfação no trabalho é um sentimento agradável. A satisfação não esta somente relacionada à renda, mas também ao crescimento pessoal. Através do trabalho o ser humano desenvolve sua capacidade de pensar, sentir e se relacionar, ampliando e aperfeiçoando sua inteligência e suas relações sócias.
 
A maioria das organizações não esta no “ramo da satisfação no trabalho”. A insatisfação e o stress do empregado levam a um baixo rendimento, falta de motivação, falta de desejo de colaborar e de trabalhar em equipe, além de outros efeitos que atingem diretamente as empresas, tais como elevação dos custos de assistência média e alta rotatividade.
 
Fica claro que as organizações têm que se conscientizar da importância da satisfação para o alcance dos objetivos organizacionais, do contrário as emoções geradas pela insatisfação tomarão conta do ambiente das empresas, baixando sua produtividade, diminuindo a qualidade e aumentando o retrabalho.
 
Construindo a Gestão de Recursos Humanos 
 
Com o objetivo de integrar as necessidades individuais e organizacionais, uma nova teoria organizacional vem surgindo, mostrando como as estruturas burocráticas, estilos de liderança e a organização de trabalho de maneira geral podem ser modificados gerando motivação.
 
Estas ações têm como objetivo fazer com que os trabalhadores sintam-se mais úteis e importantes, dando-lhes mais autonomia, responsabilidade e reconhecimento.
 
Algumas medidas podem ser tomadas a fim de influenciar o comportamento dos trabalhadores, com vistas a otimizar o funcionamento eficaz e eficiente da empresa, através de uma padronização de posturas e comportamentos, tais como:
 
 - Descrição e estrutura de cargos e salários;
 -  Definição de organograma;
 -  Definição de matriz de responsabilidades;
 -  Avaliação de desempenho.
 
Estas ações têm como objetivo fornecer ás empresas e aos trabalhadores maior estabilidade e segurança. Além destas medidas, as empresas devem ter suas “Políticas” bem definidas, tais como:
 
- Política de processos seletivos e/ou de sucessão da organização privilegiando a competência;
 
- Ter um programa de treinamento e desenvolvimento muito bem articulado, todo voltado para o crescimento profissional e pessoal;
 
- Ter ações estruturadas de qualidade de vida, medicina do trabalho, ações de bem-estar social, serviço social, apoio psicológico, desenvolvimento de equipe, responsabilidade social e empresarial;
 
- Ter uma política de reconhecimento e recompensa ajustada às práticas do mercado, bem como compatíveis à realidade da empresa e as necessidades dos trabalhadores;
 
- Estimular um programa de comunicação empresarial transparente e eficaz de tal forma que todos os colaboradores sintam-se seguros e informados de todos os “passos” e ações que a organização está tomando e/ou irá tomar;
 
- Estimular a gestão participativa, como uma prática em todos os níveis;
 
- Ter uma política de benefícios ajustada às expectativas do trabalhador. Tal política de gestão de benefícios deve ser atrativa e que retenha talentos;
 
- Ter, na política de RH, instrumentos eficazes de “entrevistas de desligamento” a fim de estudar possíveis erros de percurso na gestão de pessoas.
  
Formando e Retendo Talentos
 
Outro desafio enfrentado pelas organizações tem sido como formar e reter talentos. As organizações não podem mais se permitir investir em projetos de recursos humanos que não dêem retorno.
 
Treinar não é dar informação. Treinar é formar. É fazer com que os profissionais aprendam novas atitudes, desenvolvam novos conhecimentos, estejam mais atentos e preparados na relação direta e indireta com os clientes, sejam eles internos ou externos.
 
Ainda, treinar significa fazer com que os colaboradores consigam modificar alguns hábitos impróprios ao ambiente que estão inseridos e que se tornem mais eficazes no que fazem, enfim treinar significa preparar a pessoa para o cargo.
 
O conhecimento deve ser compartilhado e disseminado. Quanto mais informações são compartilhadas, maior é o seu retorno, tanto para o colaborador quanto para as organizações.
 
Desta forma podemos modelar e gerenciar a cultura de uma organização, estabelecendo novas maneiras de trabalho e construindo um quadro de pessoas que realmente queiram trabalhar neste ambiente criado pela organização. Esses são fatores críticos para o sucesso de uma organização a longo prazo.
 
Talentos buscam em empresas nas quais desejam trabalhar não apenas o salário, mas também as oportunidades disponíveis, o tipo de trabalho que a empresa desenvolve, bem como o ambiente no qual eles irão trabalhar. Estes itens refletem a cultura de uma empresa. As empresas têm que ser um lugar atrativo para os talentos, assim como os talentos são atrativos para as empresas. Ser um modelo pode ser um importante diferencial para o mercado. 
 
Considerações Finais
 
A análise destas estratégias gerenciais tem como objetivo apontar, em linhas gerais, que a Gestão de Recursos Humanos é complexa, sensível e estratégica e requer das organizações muita atenção para prever/antever o que sua empresa e funcionários precisam para desenvolver um bom trabalho.
 
Mudança, inovação, geração de valor passam por pessoas preparadas e motivadas. As organizações têm que ter a consciência que gerir pessoas não é só cuidar de técnica, métodos e instrumentos racionais de trabalho e controle. É entender que a família dos trabalhadores atua de forma direta e indireta na sua produtividade. È entender que o homem é corpo, mente e espírito, e que estes três elementos interagem no meio social.
 
A Gestão de Recursos humanos tem que sair do discurso ilusório e partir para a prática. Isto requer mais conteúdo profissional, mais assertividade, mais interlocução e uma postura mais humanista, sem, contudo, abolir o raciocínio prático e lógico.
 
Se planejarmos para um ano, devemos plantar cereais.
Se planejarmos para uma década, devemos plantar árvores.
Se planejarmos para toda a vida, devemos treinar e ensinar o Homem.
Confúcio.
 
Referências Bibliográficas
 
ANDRADE, Cecília e RIELLI, Maria Ercília in “Emoções: Dimensão Diferencial pra transformação das organizações”.
 
 

Saiba mais sobre o curso de pós-graduação em Gestão de Projetos, clicando aqui.

 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo