Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão de Projetos

A ética na Gestão de Projetos

Júnia Mara França Padrão

Pós-graduada em Gestão de Projetos pelo Ietec

RESUMO

Este trabalho tem como objetivo resgatar os conceitos da ética e da moral no convívio das relações humanas para que sejam refletidos e fortalecidos no âmbito profissional, principalmente pelos Gerentes de Projetos, a quem é confiado recursos que envolvem pessoas, dinheiro, reputação, a segurança de outros e recursos ambientais.

Para a contextualização do tema, adotou-se a revisão bibliográfica e um estudo do Código de Ética e Conduta Profissional do PMI- Project Management Institute, resultado de um trabalho realizado a nível mundial, que entrou em vigor em janeiro de 2007.

Os valores estabelecidos nesse código de ética retratam as normas de comportamento moral que os gestores de projeto esperam da comunidade de gerenciamento de projetos, para valorizar a profissão, enobrecer o indivíduo e direcionar os profissionais a melhores decisões.

1. Introdução
 

Muitas teorias éticas organizaram-se em torno do bom, supondo que, se soubermos o que é bom, saberemos como agir. Entretanto o bom varia de uma teoria para outra, conforme a região, comunidade e época histórica.
 
Para Vázquez (2005), os indivíduos necessitam pautar o seu comportamento por normas que julgam mais apropriadas ou mais dignas de serem cumpridas. De acordo com elas os indivíduos compreendem que têm o dever de agir desta ou daquela maneira.
 
Constantemente no nosso cotidiano encontramos situações que nos colocam problemas morais, e que dizem respeito às nossas decisões, escolhas, ações e comportamentos, os quais serão julgados entre o que é socialmente considerado bom ou mau, justo ou injusto, certo ou errado, pela moral vigente. O homem age por força do hábito, dos costumes e da tradição, mas não pode esquecer de avaliar suas decisões e se responsabilizar por suas ações.
 
A ética teórica pretende explicar a natureza, fundamentos e condições da moral, relacionando-a com as necessidades sociais dos homens e que não será fonte do nosso estudo. Vamos nos preocupar com a ética normativa, que faz recomendações e formula uma série de normas e prescrições morais, a qual se aplica o novo código de ética e conduta profissional do PMI que entrou em vigor em janeiro de 2007.

 
2. ÉTICA e comportamento moral

 
Para Vázquez (2005), a ética é a teoria ou ciência do comportamento moral dos homens em sociedade. É a ciência de uma forma específica de comportamento humano, que os homens julgam valioso e, além disto, obrigatório e inescapável.
Vázquez (2005) define a moral como um conjunto de normas, aceitas livre e conscientemente, que regulam o comportamento individual e social dos homens, contribuindo para garantir determinada ordem social.
 
Não encontraremos na ética uma norma de ação para cada situação concreta. A ética poderá nos dizer, em geral, o que é um comportamento pautado por normas. O indivíduo deverá resolver por si mesmo, o que fazer em cada situação, com a ajuda dessa norma que reconhece e aceita intimamente.

 
3. O Código de Ética e Conduta Profissional do Project management institute

 
Com a globalização e a difusão generalizada do gerenciamento de projetos, houve a necessidade de revisar o código de ética já existente do PMI para que ele pudesse retratar de forma abrangente as diferenças éticas existentes em cada região e incorporar novos dilemas éticos que surgiram com a rápida evolução das mudanças tecnológicas.
 
Um dos primeiros passos do comitê formado para revisar o código, foi entender os valores e pontos de vistas dos profissionais de todas as regiões do mundo.
O trabalho extensivo para chegar à versão final, contou com mecanismos diversos, incluindo grupos de discussão focados na área, duas pesquisas na Internet, análise de 24 códigos de ética de associações não-governamentais e estudo de melhores práticas no desenvolvimento de padrões éticos.
 
O Código de Ética e de Conduta Profissional, divulgado em sua versão original em dezembro de 2006, é o documento resultado desse esforço, que não só descreve os valores éticos consolidados pela comunidade global de gerenciamento de projetos, como também estabelece a conduta obrigatória para os profissionais de gerenciamento de projetos (PMP) e voluntários do PMI.
 
Para Mendes (2005) os valores morais e os princípios de conduta, antes de mudarem conforme as regiões, são elementos humanos. A confiança, honestidade, competência e proatividade são valores existentes em qualquer parte do mundo e inerentes à maneira como os homens se comportam diante das situações no dia–a–dia. Acredita ainda que este código pode ser expandido para o âmbito geral da Gestão de Projetos, pois os padrões de ética e conduta definidos pelo PMI baseiam–se inteiramente no bom senso.
 

Visão e Propósito
 

O código estabelece que um gestor de projetos está comprometido em fazer o que é certo, e determina altos padrões para serem cumpridos, em todos os aspectos da vida – no trabalho, no lar e no serviço da profissão.
 
O propósito é incutir a confiança na profissão de gerente de projetos e ajudar os indivíduos a se tornarem melhores profissionais, seja de forma individual ou coletiva, estabelecendo um amplo entendimento da conduta profissional adequada.

O código visa auxiliar os gestores a tomarem melhores decisões, principalmente diante de situações difíceis que podem gerar questionamentos comprometedores da sua integridade e de seus valores morais.
 
Para Fagundes (2006), devemos gerenciar a ética e adotar o conceito de tolerância zero em gestão de projetos, ou seja, punir imediatamente um comportamento fora do plano de ética.
 

Fundamentação do Código
 

Os padrões de conduta estabelecidos pela comunidade global de gerenciamento de projetos contemplam quatro valores, definidos como os mais importantes: responsabilidade, respeito, justiça e honestidade.
 
Responsabilidade: é o dever de assumir a responsabilidade pelas decisões tomadas ou deixadas de tomar, as ações praticadas ou deixadas de praticar, e as conseqüências delas resultantes.
 
O gestor não pode se envolver em qualquer comportamento ilegal, incluindo, mas não se limitando a: roubo, fraude, corrupção, apropriação ou suborno. Não pode se envolver com blasfêmia ou difamação.
 
O gestor deve denunciar toda conduta ilegal ou não ética, sabendo que reportar não é fácil e que pode haver conseqüências negativas. Muitas organizações têm adotado políticas para proteger funcionários que revelam a verdade sobre atividades ilegais ou não éticas.
 
Respeito: é o dever de demonstrar elevada consideração por nós mesmos, pelos outros, e pelos recursos que nos foram confiados, que envolvem pessoas, dinheiro, reputação, a segurança de outros e recursos naturais ou ambientais. Um ambiente baseado no respeito gera segurança, confiança e cooperação mútua, visando o desempenho do grupo e a valorização das idéias.
 
O gestor deve evitar se envolver em fofocas e fazer comentários negativos, que possam minar a reputação de outras pessoas, além de confrontar a outros que se envolvam nesses tipos de comportamento.
 
Justiça: é o dever de tomar decisões, agindo de forma imparcial e objetiva. A conduta não pode alinhar aos próprios interesses, preconceitos e favoritismos.
O gestor deve demonstrar transparência no processo de tomada de decisão e deve fornecer condições iguais de acesso às informações durante um processo de licitação.
 
O Conflito de interesse é um dos assuntos mais desafiadores encarados pela profissão de gestor de projetos e a recomendação é evitar envolver no processo de tomada de decisão ou influenciar os resultados, a não ser que todas as partes interessadas tenham sido comunicadas. Um conflito de interesse ocorre quando o gestor se encontra na posição de influenciar decisões ou resultados que afetam partes ao qual ele tenha dever de lealdade.
 
Honestidade: é o dever de compreender a verdade e agir de maneira verdadeira, tanto nas comunicações como na conduta. O gestor deve tomar medidas apropriadas para assegurar que a informação na qual está se baseando para as suas decisões ou para fornecê-la a outros, é precisa, confiável e no momento apropriado. O gestor não deve omitir resultados negativos, evitando esconder a informação ou transferir a culpa para outros. E quando os resultados são positivos, o mérito deve ser dado a quem merece.
 
Comportamentos que se destinam a enganar os outros não serão tolerados, assim como afirmar meias verdades. Os padrões desejáveis estimulam a sinceridade. Meias verdades e informações sigilosas com a intenção de enganar partes interessadas são atitudes pouco profissionais, assim como mal entendidos propositadamente. A credibilidade cresce com informações completas e precisas.
 

4. Conclusão
 

Os códigos morais existem para o convívio do homem em sociedade, e sem eles esta convivência seria indisciplinada, voltando aos tempos primitivos da existência.
Vázquez (2005) afirma que não podemos considerar uma norma moral como algo imóvel e fixo, porque umas substituem as outras, corrigidas ou enriquecidas, e, já com conteúdo mais rico, passam a fazer parte de uma moral superior e mais universal.
 
O progresso moral se caracteriza pelo crescimento do domínio dos homens sobre si mesmos, por relações mais conscientes e respeitosas, pelos interesses pessoais mais próximos aos da comunidade e pela convicção íntima das regras de convivência, ao contrário de aceitá-las puramente como normas externas.
 
Existe já um progresso no código divulgado recentemente pelo PMI em relação às versões anteriores e o acesso a estas normas comportamentais está em ascensão progressiva, o que poderá contribuir para o progresso moral dos profissionais dessa comunidade.
 
Conforme Mendes (2005), os gestores, certificados ou não, além do conjunto de atribuições técnicas e metodológicas, necessitam conhecer o código de ética da profissão para evitar incorrer em erros que possam comprometer a corporação.
 
O Código de Ética do PMI define valores operacionais e comportamentais, desenvolve a consciência da responsabilidade do comportamento moral, define diretrizes para a tomada de decisões, promovendo oportunidades de melhoria no processo de Gestão de Projetos.
 
O Código de Ética e Conduta Profissional poderia ser divulgado aos alunos dos cursos de pós-graduação em Gestão de Projetos, para reforçar a seriedade e compromisso dessa comunidade, buscando envolvê-los na reflexão individual e coletiva sobre os padrões de conduta desejáveis e obrigatórios estabelecidos neste Código.
 

Referências Bibliográficas

 
Vázquez, A. S. Ética. 27ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. 304p.
 
PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. PMI publica o novo código de Ética: Code of Ethics and Professional Conduct. PMI Internacional, jan. 2007. Disponível em: <http://www.pmi.org.br>. Acesso em jul. 2007.
 
SOTILLE, M. Novo Código de Ética do PMI – Português: Tradução Livre. Artigo, Rio Grande do Sul, p. 1-7, jan. 2007. Disponível em: < http://www.pmtech.com.br/artigos.html >. Acesso em: jul. 2007.
 
FAGUNDES, E. M. A Ética em Gestão de Projetos. Blog, São Paulo, nov. 2006. Disponível em: <http://www.efagundes.com/blog/A_etica_na_gestao_de_projetos.htm
>. Acesso em: jul. 2007.
 
MENDES, S. P. A ética responsável do gestor de projetos. Negócios, dez. 2005.  Disponível em: . Acesso em: jul. 2007.
 
VILELA, S. Ética e respeito mútuo é desenvolvimento humano. Plugbr – Prazer em fazer Blog e Saúde, nov. 2006. Disponível em:< http://www.plugbr.net/2006/11/27/etica-e-respeito-mutuo-e-desenvolvimento-humano >. Acesso em: jul. 2007.


Glossário
 

Project Management Institute [PMI®]. O Project Management Institute como um todo, incluindo seus comitês, grupos e componentes credenciados, tais como seções, capítulos, colegiados e grupos de interesse específico.
 
Voluntário do PMI®.Uma pessoa que participa de Atividades Patrocinadas peloPMI®, seja membro do Project Management Institute ou não.
 
PMP - Project Management Professional é a credencial profissional mais reconhecida e respeitada em termos mundiais no que tange ao Gerenciamento de Projetos.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo