Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

Logística

Operadores logísticos

Fabrício José Moreira Borges / Jailson Fernandes Ferreira

Fabrício José Moreira Borges - Contador, pós-graduado em Gestão da Logística pelo IETEC

Jailson Fernandes Ferreira - Técnico em Controle de Qualidade, Pós Graduado em Gestão da Logística pelo IETEC

1.INTRODUÇÃO

1.1 - PAPEL DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA:

Para se falar do papel da terceirização na logística é necessário se fazer um esclarecimento sobre o que seja terceirização no contexto brasileiro atual. Segundo Moisés Ferella, gerente de Logística para o Mercado de Reposição da América Latina da Bosch – grupo industrial alemão, entre os maiores do mundo, presente no país desde 1954 – a terceirização no Brasil passou a ser pró-ativa, segundo ele:

Antes a impressão era a de que as empresas terceirizavam todas as áreas problemáticas, não apenas a logística. Passavam para o terceiro problemas e dificuldades. O que hoje se vê, de modo geral, é a busca por uma operação logística de qualidade.

Olhando por este prisma é que deve-se considerar o papel da terceirização na logística, ou seja, o objetivo da terceirização deve ser o de obter desenvolvimento econômico, especialização dos serviços, competitividade, controles adequados, aprimoramento dos sistemas de custeio, esforço de treinamento e desenvolvimento profissional, diminuição do desperdício, valorização dos talentos humanos, agilidade das decisões, diminuição dos custos de operação, maior lucratividade e crescimento, entretanto nunca se deve perder o foco que a qualidade deve ser preservada sobre todas as outras características da terceirização.

Em outras palavras, as terceirizações das atividades de operação logísticas permitem que a organização que contrate um terceiro foque as operações do seu próprio negócio, seu "core business", dirigindo todos os esforços em sua condução.

2.DESENVOLVIMENTO

2.1- CONCEITO DE OPERADORES LOGÍSTICOS

De acordo com a definição do Suplemento da Revista Tecnologística - Edição de Fevereiro/99 –Operador Logístico é o fornecedor de serviços logísticos, especializado em gerenciar e executar todas ou parte das atividades logísticas nas várias fases da cadeia de abastecimento de seus clientes, agregando valor aos produtos dos mesmos, e que tenha competência para, no mínimo, prestar simultaneamente serviços nas três atividades básicas de controle de estoques, armazenagem e gestão de transportes.

Ainda de acordo com a revista, o estabelecimento deste conceito é de grande importância para que o mercado possa ser devidamente ordenado, tendo em vista que isso deverá permitir tanto que os fornecedores de serviços logísticos, quanto os clientes destes serviços possam compreender de forma adequada:
- O conjunto total das atividades logísticas que podem ocorrer ao longo de uma cadeia de suprimento genérica e quais podem, em princípio, ser terceirizadas para fornecedores de serviços logísticos;
- Quais os pré-requisitos para que um fornecedor de serviços logísticos possa ser considerado um Operador Logístico e, portanto, que fornecedores de serviços logísticos no mercado são efetivamente Operadores Logísticos;

Que muito embora nem todos os fornecedores de serviços logísticos possam ser considerados Operadores Logísticos, há lugar para todos aqueles que oferecem serviços competitivos e de qualidade, atendendo diretamente a clientes ou aos próprios Operadores Logísticos. Esses últimos irão certamente terceirizar parte de suas atividades, em vista da abrangência dos serviços logísticos que podem ser prestados ao logo da cadeia de abastecimento.

2.2- PROCESSO DE ESCOLHA DE UM OPERADOR LOGÍSTICO

Segundo Antônio Carlos Rezende em uma série de artigos entitulada "Terceirização das Operações Logísticas" publicada na revista LOG/MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM - julho/2001 - o primeiro passo a ser dado na escolha de um operador logístico é a realização de estudos para identificar a empresa na cadeia de suprimentos na qual ela está inserida, desde os fornecedores até o cliente final, e do detalhamento de todas as atividades passíveis de terceirização.

Feito isto deve-se esclarecer se a organização está ou não preparada para a terceirização, ou seja, todo um trabalho de análise preliminar deve ser feito para que se conheça bem o ambiente interno bem como sua receptividade a esta mudança em sua estrutura.

O próximo passo, após a definição favorável à contratação de um operador logístico, será a definição detalhada das atividades que serão terceirizadas e do nível de serviço esperado, que deverá ser igual ou superior ao conseguido pela própria organização, tendo em vista que a qualidade jamais deve deixar de ser levada em conta.

Em seguida as informações do contratante devem ser preparadas, para que as empresas candidatas à contratação possam conhecer a organização bem como os materiais e produtos envolvidos no processo, e ainda quais atividades serão terceirizadas.

Além destas informações deve ser elaborado um questionário a ser respondido pelos operadores logísticos que irão participar do processo seletivo. Estas informações e as questões para qualificação dos operadores, ainda segundo Rezende seguem abaixo:

FORMAÇÕES PARA OPERADORES LOGÍSTICOS

Caracterização da empresa contratante

- Descrição geral da empresa, capital social (valor e origem), porte (área coberta e total, tipo de processo e equipamentos principais), localização (matriz, filiais, centros de distribuição, etc.);
- Os canais de distribuição utilizados (CDs, atacado, varejo, etc), destinos (cidades; estados; países), freguência e volumes correspondentes;
- Posição no mercado, se está em expansão, diversificação, qualidade de serviços e atendimento ao cliente.


Materiais e produtos

- Descrição dos principais materiais e produtos (características físicas) e sua aplicação.
- Relação e quantidade dos materiais e produtos envolvidos.


Atividades que serão terceirizadas

- Descrição detalhada das atividades que serão terceirizadas (recebimento; estocagem; montagem de Kits; separação; expedição; gerenciamento do transporte, etc.).
- Objetivos da terceirização das operações logísticas;
- Responsabilidades do Operador Logístico


Processo de seleção

- Objetivos e critérios da avaliação;
- Como será desenvolvido o processo de seleção, etapas etc.

QUESTÕES PARA PRÉ-QUALIFICAÇÃO DOS OPERADORES LOGÍSTICOS

Instalações e equipamentos
- Instalações do operador logístico nas cidades que serão indicadas no projeto, ou escritório de representação, ou ponteciais parceiros;
- Áreas de armazenagem e localidades, equipamentos de movimentação e armazenagem.

Serviços e capacitação
- Relação dos principais serviços e clientes;
- Capacitação para assumir a operação física, administrativa e fiscal (adequar a melhor característica de armazém geral, filial ou emissão remota de notas fiscais);
- Conhecimentos de modemas técnicas de logística e produtividade, 'just-in-time',etc.;
- Experiência com operações similares;
- Capacidade de omitizar fretes, rotas, aproveitamento, etc;
- Conveniência de que o pagamento seja baseado nos custos operacionais detalhados (cost driver): movimentação e manuseio (handling), empacotamento e estocagem;
- Conveniente de que a operação seja compartilhada com outros clientes para que seja possível ratear os custos fixos.
- Serviços de apoio: informática, projetos e treinamento
- Experiência com sistema de geranciamento de estoques, disponibilidade de hardware e software;
- Equipe com experiência em desenvolvimento de sistemas e adaptação do sofware e monitoramento de todas as etapas do processo através do código de barras;
- Customização do software para transferência de dados para o cliente;
- Equipe para desenvolvimento de projetos logísticos;
- Equipe de RH para treinamento de equipes;
- Indicações sobre a capacitação dos colaboradores envolvidos nos serviços de apoio e do pessoal que será envolvido diretamente.


2.3 – OPERADOR LOGÍSTICO NO SCM

A logística eficiente tem que agregar benefícios para Empresa, em termos de redução de custos e a execução de melhores serviços para os clientes, fatores que se transformam em vantagens competitivas. As Empresas tendem a terceirizar a função de logística através de operadores logísticos ou empresas de entrega rápida que tenham uma rede global de atuação ou especialização regional . Os Couriers ou Operadores Logísticos são selecionados com base na pesquisa dos seguintes parâmetros:
- experiência no mercado,
- presença geográfica,
- reputação,
- rede de relacionamentos,
- variedade de serviços oferecidos,
- sistemas de informações excelentes,
- habilidade para prover o cliente,
- instalações e localizações dos armazéns e capacidade de gerenciar o inventário,
- miscelânea de serviços tais como transparência com os clientes,
- infraestrutura adequada,
- uma variedade de métodos de transporte,
- pessoal qualificado e capacidade financeira.

Estas contratações devem ser feitas através de contratos formais onde são estabelecidas métricas de desempenho e de outras funcionalidades o que ajuda a evitar confusões devido a ambigüidades a respeito das metas, expectativas e objetivos das parcerias de negócios.

Ricardo Ubiratam Silveira, gerente de logística da Metropolitan , reforça a opinião , afirmando que cada fez mais os clientes procuram soluções globais da seguinte forma:

" A disponibilização de informações sobre o status do pedido, ao longo de todo o supply chain, as operações de fullfilment e respostas para operações logistica reversa são algumas das tendencias mais significativas deste setor atualmente. Os clientes querem soluções que incluam desde a coleta do em suas plantas, localizadas muitas vezes no exterior, até a roteirização e entrega para o cliente final, e todas essas atividades devem ser feitas de um único fornecedor."

Desta forma, devido a necessidade dos Clientes, muitos operadores logístico já englobam processos intermediários, como montagem de kits, personalização de embalagens e atendimento às linhas de produção, entre outros. Isso, para ampliar seu seu portfólio de serviços, por meio de parcerias e ou aquisições estratégicas, focando nichos específicos para obter um diferencial competitivo.

2.4 – AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO OPERADOR LOGÍSTICO:

Antes de qualquer tipo de avaliação no sentido de optar por um determinado operador logístico, devem ser vencidas algumas etapas preliminares:

- Visão sistêmica da cadeia de abastecimento, do fluxo de matérias e de informações
- Reduzir custos e melhorar controles
- Avaliar suas necessidades com que o mercador apresenta
- Monitorar todo o processo dos operadores logísticos

O processo de avaliação, propriamente dita, tem início após a fase de conclusão de pré-classificação, onde o reconhecimento efetivo do contratante e da operação, será solicitada uma proposta técnica e comercial no qual deverá constatar:

- Equipamentos e instalações que serão utilizadas
- Pessoal envolvido
- Custos unitários por operação, de acordo com o detalhamento solicitado (recebimento, conferencia, armazenagem, montagem, separação e transporte)
- Relação de clientes com operações semelhantes, para servir informações e referencias
- Deverão desenvolver um projeto logístico próprio que contenha criticas e sugestões

Não podemos esquecer que somente a partir da simulação e que podemos chegar a um veredicto, pois assim conseguimos mensurar o custo do transporte por volume e ao mesmo tempo ganhar a credibilidade do operador logístico analisando seus aspectos intangíveis.

O uso de um operador externo para executar as operações logísticas não significa abandonar totalmente o interesse e a responsabilidade pela logística. O oposto é verdadeiro. A empresa que terceiriza as funções deve desenvolver e monitorar indicadores de desempenho (por exemplo, a qualidade do serviço, a quantidade de operadores quando o pagamento é baseado em uma unidade de medida comum e o custo da operação. Idealmente, a coleta de dados ocorre a cada dia e a empresa a recolhe semanalmente, mensal e anual para cada provedor de serviços).

O objetivo da medida de desempenho nessa situação é a melhoria continua do desempenho da empresa de serviços. A empresa de logística terceirizada e a empresa que requer os serviços devem projetar incentivos para gerar sinergia. A maior parte dos problemas que surgem entre provedores terceirizados e seus clientes deriva de uma falta de comunicação ou conflito entre os objetivos, que resultam em falhas. O ponto critico é ser capaz de definir medidas que irão capturar o valor adicionado pelo operador logístico e assim eliminar a fonte de fricção.

3 - Conclusão:

Atualmente, o mercado enfrenta dificuldades tanto no operador logístico para oferecer os serviços adequados quanto dos clientes para contrata-los. Desta forma, para não contratarmos serviços ineficientes, as empresas procuram serviços especializados, de maior flexibilização na operação e parceirias pro-ativas para que a logística transforme-se efetivamente numa ferramenta para as empresas atingirem metas de qualidades e competitiva.

É ingenuidade pensarmos que só com a transferência da logística para um operador se obtém um serviço de excelência com custos reduzidos. O processo deve ser conduzido em fases através de um planejamento e controle antecipado de forma criteriosa para se adquirir o sucesso. Vale lembrar que o cliente deve saber o foco de atuação do operador logístico para poder posicionar suas necessidades investindo se necessário.

Bibliografia:

·Artigos de revistas

REZENDE, Antônio Carlos – Terceirização das Operações Logísticas. Log/Movimentação & Armazenagem, junho 2001 – 4º parte, 5º parte, 6º parte

CARDOSO, Fátima – Revista tecnologistica Especial – Operadores Logístico – junho 2001

CLAUSEN, Antônio – Fonte:Developing a Global Supply Chain - Quaraish Baldiwala -- Logistics Spectrum - Desenvolvimento da cadeia de suprimentos – http://www.cvlog.net - Acesso em: 17/outubro

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo