Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

A Importância da Gestão do Conhecimento No Cenário Atual

Alex Fabiano Pimenta

Projetista Mecânico e pós-graduado em Gestão de Projetos


egi.alex@sadasiderurgia.com/alexpimenta5@hotmail.com

1 INTRODUÇÃO

Em busca da melhoria continuada e excelência dos processos e procedimentos das organizações e das pessoas, há uma busca cada vez maior para um modelo de gestão adequado dentro das crescentes transformações em um mundo globalizado, impulsionado pelo avanço tecnológico e a facilidade de comunicação em todos os níveis, a gestão dos saberes a valorização do conhecimento tácito e os métodos para externalização do conhecimento torna-se cada vez mais objeto de estudo com um crescente trabalho de investigação e investimento pela sua importância no cenário atual.
Diante deste fato, o trabalho a seguir apresenta conceitos sobre a gestão do conhecimento, as definições sobre a forma de conhecimento e a técnica utilizada dentro da gestão do conhecimento, lições aprendidas, procedimentos e metodologias.

2 DESENVOLVIMENTO
Repensar o modelo de gestão dentro de uma organização, diante das constantes mudanças que vem ocorrendo em um ritmo cada vez mais acelerado, afetando pessoas e organizações, é imprescindível. As organizações que querem continuar competitivas ou tornarem-se mais conhecidas dentro de um cenário globalizado afetado pelo avanço tecnológico e pela facilidade de comunicação, terão que abandonar conceitos antigos e estarem prontas para mudanças ou tornarão obsoletas e ultrapassadas.
Nesse sentido a gestão do conhecimento, do inglês KM – Knowledge Management, aparece como uma via importante para a sobrevivência das pessoas e das empresas. Repensar procedimentos e ações a fim de incrementar a forma de gerenciamento, a forma de conduzir as mudanças de modo que atendam as expectativas, é identificar as causas e conseqüências dos erros e buscar soluções para tal.
Em uma definição de gestão do conhecimento podemos encontrar como a forma de organizar e sistematizar, em todos os pontos de contato, a capacidade de captar, gerar, criar, analisar, traduzir, transformar, modelar, armazenar, disseminar, implantar e gerenciar informações, tanto interna, como externa e essa” informação deverá ser transformada em conhecimento e distribuída aos interessados” (COLLISON, 2001), isso mostra à valorização do conhecimento tácito e o esforço em torná-lo em explícito para o bem comum.
Para entender melhor a definição de gestão do conhecimento será apresentado abaixo às definições de conhecimento, pois tais são instrumentos desse modelo de gestão.
A definição do conhecimento tácito pode ser explicado com a origem da palavra “tácito” que vem do latim tacitus que significa “que cala, silencioso”, é pessoal e difícil de ser codificado, é prático e é geralmente fruto de uma longa experiência, como a habilidade de um mecânico.
E em outra ponta temos o conhecimento explícito, aquele que é qualificado como objetivo, fácil de ser codificado com palavras, números e fórmulas, é transmitido rapidamente com clareza.
Para definir os tipos de conhecimento, criação e disseminação temos o espiral do conhecimento que contém a socialização, externalização, combinação e internalização que são caracterizados como:
Socialização: Transmissão imediata do conhecimento tácito de um indivíduo para um outro indivíduo, interação pessoal (face-2-face), é o repasse do conhecimento adquirido pela experiência.
Externalização: É a transformação do tácito para o explicito, no sentido de normalizar o conhecimento dentro de um padrão comum de modelo mental entre emissor e receptor. Após normalizado pode ser objeto de uma distribuição em massa a partir de tecnologias de comunicação.
Combinação: É o processo de disseminação e sistematização do conhecimento explícito. Uma vez formalizado dentro de um padrão comum de entendimento, poderá ser combinado e comparado com outros, por exemplo, a confrontação de dois relatórios.
Internalização: É a volta do explícito para o tácito, entendida como a apropriação do conhecimento explícito por um indivíduo, e seu enquadramento dentro de modelos mentais particulares deste indivíduo; é a opinião pessoal para um fato, relato, etc.
De acordo com Choo, cerca de 80% do conhecimento existente dentro de uma empresa está armazenado na cabeça das pessoas (conhecimento tácito) em forma de experiência e não registrado em nenhum lugar, e 20% restantes, somente um quinto dele está armazenado de forma estruturada. (CHOO, 1988).
Em tempos onde as organizações reconhecem cada vez mais a importância do capital humano, a valorização do saber, onde a globalização traz mudanças radicais com o surgimento de uma nova sociedade, a sociedade da era da informação, que coloca o conhecimento como ativo de produção mais importante, a gestão de conhecimento torna-se um instrumento eficaz para a sobrevivência das empresas em um cenário onde não se permite erros e os lucros são menores, a produtividade torna-se fundamental e não basta apenas investir em tecnologia, é preciso valorizar o saber, estar atento às mudanças, perceber e atuar na dinâmica organizacional, reeducar as pessoas e lidar com as resistências naturais. E é nesta vertente que a gestão do conhecimento aparece como um instrumento importante na criação de uma visão compartilhada com tecnologia/conhecimento implantados dentro de uma estratégia para conseguir os objetivos desejados.
Uma das técnicas mais utilizadas dentro da gestão do conhecimento são as lições aprendidas (técnica utilizada para o nivelamento e disseminação do conhecimento). Esta técnica tem por definição como registro de acontecimentos que influenciaram ou impediram algum avanço do projeto, ao longo da fase anterior, deve-se registrar ocorrências ruins e boas, ou seja, influências positiva ou negativa, e estas servirão de base para novos projetos. De acordo com o PMBOK, o registro de lições aprendidas é realizado ao final de cada fase ou projeto, evitando-se que erros sejam repetidos no futuro, mitigar riscos já ocorridos, melhorar procedimentos e continuar realizando boas práticas que proporcionam efeitos positivos na execução da fase do projeto.
Utilizar lições aprendidas como técnica de gestão do conhecimento requer um esforço para quebrar o paradigma de que a coleta e o registro não são uma perda de tempo, e sim um incremento nos procedimentos, uma transferência do saber, uma externalização do conhecimento. De acordo com Brett (2000), o fator chave é o comprometimento da equipe, o que envolve uma mudança de cultura.
Os procedimentos da técnica de lições aprendidas são: conscientizar a equipe, coletar e registrar informações, analisar sucessos e fracassos, disseminar o conhecimento e manter atualizado os registros. Para cada procedimento poderá ser criado uma metodologia, uma ferramenta, uma técnica que facilite a sua utilização tendo como pilar a simplicidade para reduzir ao máximo a burocracia e instigar o crescimento da base de conhecimento da empresa. Porém essas técnicas ou metodologias não são únicas, mudam de acordo com o porte, cultura e recursos disponíveis da empresa, e também podem mudar de um projeto para o outro como a própria definição do PMBOK para projeto: “Todo projeto é temporário e único.” Sabe-se também que o retorno financeiro desta técnica não é imediato, ele é alcançado a médio ou longo prazo.

3 CONCLUSÃO
Adotar as práticas da gestão do conhecimento ao modelo da gestão de gerenciamento em uma organização mostra ser uma prática necessária para a diferenciação em relação à concorrência e para a sobrevivência sustentável, e não apenas como recurso de modelagem de processos. Porém é preciso conhecer a individualidade de cada organização, as suas características e as expectativas dos seus colaboradores. Não existe modelo pronto, podemos contar com experiências vividas, casos passados e lições aprendidas e a partir daí criar um modelo para cada situação. Mas acima de tudo é preciso reconhecer e valorizar os saberes, tornar o conhecimento tácito como explícito, direcionar as iniciativas, permitir que as ideias se tornem claras e objetivas, permitir a transmissão de experiências pessoais, de saber-fazer.
O esforço é maior em organizações mais antigas, pois é preciso quebrar paradigmas e crenças, é preciso reeducar colaboradores e executivos, fazer entender a importância da gestão do conhecimento no cenário atual. Pessoas envelhecem e se desligam das organizações, o conhecimento saber-fazer deverá ser disseminado e não construído a cada instante, poderá sim ser melhorado, aperfeiçoado, transformado de acordo com a situação de mudança, contudo que a sua base o conhecimento tácito, seja a fonte desta transformação.

4 BIBLIOGRAFIA
PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE, CONJUNTO de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK). 3. Ed., 2004, Newtown Square, Pennsylvania: PMI, 2008
VIANA, V. Ricardo. Gerenciamento de Projetos- Estabelecendo Diferenciais Competitivos, 6a edição, Rio de Janeiro- Brasport, 2005.
CASSAPO, M. Filipe. O Que Entendemos Exatamente por Conhecimento Tácito e Conhecimento Explicito. Disponível em: www.sgbc.org.br. Acesso em: 20 Ag. 2011.
SILVA, R. V., NEVES, A.. Gestão de Empresa na Era do Conhecimento. Serinews Editora, 2004.

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo