Logomarca IETEC

Buscar no TecHoje

Preencha o campo abaixo para realizar sua busca

:: Gestão de Projetos

A Evolução da Cultura de Gerenciamento de Projetos no Brasil

José Salustiano Ribeiro

Engenheiro Sênior/Vale S/A
Pós-graduado em Gestão de Projetos pelo Ietec

1 – Resumo

O objetivo deste artigo é discorrer dobre o processo de evolução da cultura da implantação de projetos na indústria brasileira, inicialmente é conceituado o que se entende por cultura de forma geral, como os segmentos industriais brasileiros evoluíram ao longo do tempo e qual a correlação existente entre a evolução industrial brasileira e a cultura de implantação de projetos. Por fim pode-se vislumbrar qual o cenário a ser vivido pela indústria brasileira no que se refere a implantação de projetos industriais.

Palavras chaves – Cultura, Evolução Industrial, Gestão de Projetos

2 – Cultura

Conceitualmente pode-se definir a cultura de diferentes maneiras, dentre elas pode-se citar:

Social - Sistema de idéias, conhecimentos, técnicas e artefatos, de padrões de comportamento e atitudes que caracteriza uma determinada sociedade,

Antropológica - Estado ou estágio do desenvolvimento cultural de um povo ou período, caracterizado pelo conjunto das obras, instalações e objetos criados pelo homem desse povo ou período; conteúdo social.

A cultura brasileira de maneira geral tem um pouco de tudo isto, na área industrial estes conceitos são bastante profundos, dado a maneira que foi evoluindo a indústria nacional considerando as contribuições externas, principalmente a contribuição da cultura americana, devido às duas guerras mundiais e a importação de tecnologias nas áreas de siderurgia, sistema modal de transporte e indústria automobilística.

3 – A Evolução da Indústria Nacional

Com um país de dimensões continentais e com extensas áreas agricultáveis a indústria nacional nasceu com foco em beneficiamento de bens e artefatos para a agricultura, evoluindo para produção de bens de consumo para as pessoas na medida em que os centros urbanos foram se desenvolvendo. Nas décadas de 30, 40 e 50 a indústria nacional tomou um grande impulso com a chegada de fábricas, usinas siderúrgicas e indústrias automobilísticas, vale lembrar que em 1942 foi fundada a Companhia Vale do Rio Doce hoje denominada de Vale S/A, com o objetivo de produzir minério de ferro em grande escala para abastecer o mercado interno e externo.

Nas décadas de 60 e 70 a indústria nacional sofreu a forte intervenção do estado, pois nesta época o regime militar ocupou o lugar de estado social e indutor industrial, porém com foco nacionalista o que contribuiu para uma desaceleração tecnológica, pois havia um forte protecionismo nacional, ressalta-se que de todos os seguimentos da indústria a indústria siderúrgica para produção de bens de consumo foi ainda uma das mais beneficiadas.

Ainda nesta época os projetos eram implantados sem os conceitos de gestão, gestão esta que já começava a aparecer em outros países, entre eles os Estados Unidos da América, até a década de 40 pode-se dizer que a implantação de projetos era realizada de maneira informal, partindo para formalização com evolução industrial americana e européia.

As décadas de 80 e 90 foram marcadas por forte recessão, principalmente a década de 80, e a indústria nacional quase parou, no entanto este período foi marcado pelas transformações sociais, com a redemocratização do país e retomada do crescimento, lento a princípio, mas com constante evolução, após o ano de 2000 a indústria nacional ganha ritmo ascendente, principalmente após a abertura econômica que permitiu ao país importar equipamentos e tecnologias, desenvolvendo significativamente seu parque industrial. Empresas brasileiras participam ativamente dos processos de globalização interna e externa, podendo citar dentre outras: Vale, Gerdau, Petrobras.

As transformações culturais pelas quais o país passou nas últimas décadas associado ao processo de transformação industrial dentro do contexto de globalização mostra que o país pode e vai modificar-se em todos os aspectos, pois as reservas minerais são diversificadas e promissoras e sua extensão territorial permite investimentos significativos em agronegócios com significativo crescimento em sua rede de infra-estrutura física e social.

4 – A Gestão de Projetos x Crescimento industrial

Em 1969 surge formalmente o PMI- Project Mangement Institute-USA, fruto do amadurecimento da indústria americana, principalmente a indústria espacial que demandava um maior controle, a princípio técnico e depois financeiro e econômico, dos projetos em desenvolvimento.

Em 1979 surge o primeiro núcleo da divisão PMI em São Paulo, nesta época o regime era militar e houve intervenção, pois não podia haver troca de informações entre órgãos externos e internos, ou seja, a censura estava estabelecida, Em 1998 é implantado definitivamente em São Paulo o escritório do PMI, sendo realizado neste ano o primeiro exame para certificação.

Os conceitos em gestão de projetos podem ser também considerados como uma evolução dentro do contexto industrial mundial, visto que a formalização do PMI data de 1969, ano em que o homem foi à lua, mas muito depois das duas grandes guerras mundiais, é sabido que nas guerras é onde são desenvolvidas as maiores tecnologias de construção, execução e gestão, as técnicas de gestão de projeto estão em nível de desenvolvimento mais avançados no continente americano e europeu em decorrência do estágio de maturidade industrial dos países destes continentes.

No Brasil pode-se dizer que ainda é incipiente a utilização de técnicas de gestão de projetos, saindo de fase embrionária para uma fase evolutiva, principalmente devido ao processo de globalização pelo qual passa a indústria nacional, o que tem contribuído cada vez mais para a mudança de cultura na gestão de projetos, Um estudo baseado em empresas brasileiras mostrou que poucas têm formalizado e desenvolvido um modelo de gerenciamento do processo de inovação (RABECHINI Jr. et al., 1996). O estudo mostrou que as práticas de monitoramento da inovação tecnológica podem ser classificadas em quatro categorias, segundo o tipo da empresa. A primeira categoria é caracterizada pelas empresas que já possuem um sistema de monitoramento tecnológico estabelecido (procedimentos de pesquisa, triagem, avaliação e apresentação) e bastante informatizado (uso intensivo de WAN – Wide Area Network, LAN – Local Area Network e programas de gerenciamento de banco de dados, por exemplo). Nesta categoria estão incluídas as grandes empresas multinacionais. A segunda categoria refere-se às empresa cuja prática do monitoramento da inovação tecnológica é ainda incipiente (procedimentos de sistematização em estágios iniciais e em evolução) e cujo sistema começa a ser informatizado. Nesta categoria estão inseridas algumas empresas nacionais do setor eletroeletrônico e de informática. A terceira categoria compreende as empresas que praticam o monitoramento tecnológico de forma ainda incipiente, com as informações ainda não informatizadas. Esta categoria inclui uma empresa nacional que considera importante a tecnologia para atingir maior competitividade. E a quarta categoria refere-se àquelas empresas que não realizam o monitoramento tecnológico. Nesta categoria estão incluídas pequenas empresas nacionais.

Prado & Archibald, ( MPCM - Maturidade Brasil 2008 ) demonstram que existe uma evolução na utilização de técnicas de gestão de projetos com destaque para a iniciativa privada e neste setor em especial para a área de tecnologia da informação, onde os riscos são maiores, ainda na iniciativa privada a pesquisa mostra que os demais setores pesquisados utilizam a gestão de projetos com mais intensidade as empresas de maior porte e conseqüentemente com maior competitividade, interna e externa. Nesta mesma pesquisa onde a metodologia aplicada mede a efetividade gestão de projetos em uma escala de 1 a 5, a média nacional alcançada foi de 2,66, é possível também verificar na administração direta existem iniciativas avançadas com destaque para o governo de Minas, onde se trabalha com programas estruturantes com seus diversos projetos.

5 – Conclusão

Considerando a evolução da indústria mundial e em especial a indústria brasileira e comparando com a evolução das técnicas de gerenciamento de projetos pode-se afirmar que ainda há um longo caminho a percorrer, Prado & Archibald, ( MPCM - Maturidade Brasil 2008 ) mostram claramente isto no relatório Maturidade Brasil 2008.

A importância deste estudo é verificar que em todos os setores da economia existe espaço para crescimento, como a competitividade entre as empresas tende a acirrar ainda mais, pode-se afirmar que a gestão em gerenciamento de projetos será fortemente demandada, contribuindo para aumentar as oportunidades de trabalho dos profissionais, basta especializarem, oportunidades existem.

6 – Referências bibliográficas

GUIA PMBOK. Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos. Quarta Edição, 2008
 
RABECHINI JR., R. ; YU, A. S. O ;CORREA, E. S. O ; Correa, E. S. O Monitoramento Tecnológico E as Decisões nas Empresas. In: XIX Simpósio da Gestão da Inovação Tecnológica, São Paulo, outubro, 1996.

Prado & Archibald, Pesquisa sobre maturidade em gerenciamento de projetos, 2008
 

Indique este artigo a um amigo

Indique o artigo